Justificativa em rede nacional

iG Minas Gerais |

Brasília. Responsabilizada pelos partidos de oposição por ter autorizado quando presidente do Conselho de Administração da Petrobras a compra da Refinaria de Pasadena, a presidente Dilma Rousseff aproveitou o pronunciamento em cadeia de rádio e TV, pelo Primeiro de Maio, para falar do escândalo que envolve a estatal.  

“Quero reafirmar o compromisso do meu governo no combate incessante e implacável à corrupção. Novos casos têm sido revelados por meio do trabalho da Polícia Federal e da Controladoria Geral da União, órgãos do governo federal”, disse a presidente.

Dilma disse que entende a indignação do brasileiro com as suspeitas de corrupção. “Sei que a exposição desses fatos causa indignação e revolta, mas isso não vai nos inibir de apurar, mostrar tudo à sociedade e lutar para que todos os culpados sejam punidos. O que envergonha um país não é investigar e mostrar. O que pode envergonhar um país é não combater a corrupção, é varrer tudo para baixo do tapete. O Brasil já passou por isso no passado e os brasileiros não aceitam mais a hipocrisia, a covardia ou a conivência”, afirmou a presidente.

Em seguida, ela falou sobre a Petrobras. E aproveitou o discurso para criticar a oposição que, segundo ela, quer destruir a empresa. “A Petrobras jamais vai se confundir com atos de corrupção de qualquer pessoa”, disse a presidente no discurso. “Não vou ouvir calada a campanha negativa dos que, para tirar proveito político, não hesitam em ferir a imagem dessa empresa que o trabalhador brasileiro construiu com tanta luta, suor e lágrimas”, completou.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave