Devendo uma safra, usineiros vão pedir socorro ao governo

Em 2008 e 2009, política de preços da gasolina mudou, consumo de etanol caiu, e passou a euforia

iG Minas Gerais | Ana Paula Pedrosa |

MG. Cerca de 40% da produção de etanol é vendida para São Paulo
LEO FONTES / O TEMPO
MG. Cerca de 40% da produção de etanol é vendida para São Paulo

De 2005 a 2010, o setor sucroenergético estava otimista com a economia brasileira: investiu R$ 40 bilhões, dobrando a capacidade de produção do país. Veio a crise de 2008/2009, a política de preços da gasolina mudou, o consumo de etanol caiu e a euforia passou. Mas as dívidas contraídas para fazer a expansão e, posteriormente, para financiar as safras, permaneceram e, hoje, o setor deve o equivalente a R$ 100 por tonelada de cana, totalizando R$ 42,42 bilhões em dívidas na safra 2013/2014 – valor 8% superior ao da safra anterior. Para a próxima safra, os custos do setor devem crescer 13%, com salários mais altos, problemas climáticos e possíveis mudanças na política de preços de combustíveis.

Os cálculos são da Itaú BBA e revelam números preocupantes. “O setor passa por uma de suas maiores crises. Dever R$ 100 por tonelada significa dizer que estamos devendo uma safra inteira”, diz o presidente da Associação das Indústrias Sucroenergéticas de Minas Gerais (Siamig), Mário Campos. Ele diz que o setor se prepara para ir ao governo federal pedir um socorro. “Não basta recompor os preços. Essa dívida terá que ser renegociada”, diz. Ainda não há uma proposta de qual seria a fórmula para essa renegociação, nem uma data para que ela seja apresentada.

Campos explica que, o primeiro fator que desencadeou o aperto foi a crise internacional de 2008/2009 – “a questão ambiental foi colocada em segundo plano”, lembra – mas acrescenta que o quadro ficou pior com a política de preços da gasolina. Como o governo federal subsidia a gasolina, o combustível é vendido no país a um preço 20% menor do que o comprado no exterior. Com isso, os produtores de etanol não podem repassar seu aumento de custo para o preço do produto.

Consumo. O preço defasado, porém, não significa consumo maior. Em 2009, para cada cem litros de gasolina vendidos em Minas Gerais, eram vendidos 40 litros de etanol. Hoje, são apenas 15 litros de etanol para cada cem litros de gasolina no Estado. Cerca de 40% da produção mineira é “exportada” para São Paulo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave