Funed irá quadruplicar a produção de medicamentos

Fundação Ezequiel Dias deve gerar 97 milhões de medicamentos neste ano e fazer parcerias internacionais

iG Minas Gerais | Helenice Laguardia |

Referência. Presidente da Funed, Francisco Tavares Júnior, diz que laboratório é fornecedor da vacina contra meninigite C, talidomida e antirretrovirais
Alex de Jesus
Referência. Presidente da Funed, Francisco Tavares Júnior, diz que laboratório é fornecedor da vacina contra meninigite C, talidomida e antirretrovirais

No ano passado, foram 27 milhões de medicamentos produzidos – vacina e comprimidos –, e, neste ano, a meta do presidente da Fundação Ezequiel Dias (Funed), Francisco Antônio Tavares Júnior, 33, é de quadruplicar o volume para 97 milhões de medicamentos, além de fazer 500 mil análises laboratoriais. “Em dois anos, quero chegar a 400 milhões de medicamentos”, planeja Tavares, animado com os novos rumos que a autarquia do governo de Minas Gerais está tomando.

Tavares explica que a Funed, se bem-gerida, consegue se autossustentar. “Consigo gerar receita significativa, o que dá margem para reaplicar na ampliação de produção. O Estado repassa recursos se a Funed não conseguir se autossustentar. Nos últimos anos, ela tem conseguido”, afirma Tavares.

Um dos maiores laboratórios oficiais do país, a Funed também tem feito parcerias internacionais que vão possibilitar até a produção de medicamentos para o tratamento do câncer. Com a Pfizer, em negociação já aprovada pelo Ministério da Saúde, é para a produção da somatropina (hormônio do crescimento). Com a Novartis, a transferência de tecnologia já aconteceu e é para a vacina contra a meningite C. Outro acordo em análise e discussão é com o laboratório Janssen, do grupo Jonhson & Jonhson. Ainda em fase de namoro, para a produção de um antirretroviral, a parceria poderá acontecer com a argentina de produtos oncológicos, a Blipack, o que ainda não foi aprovado pelo Ministério da Saúde.

O objetivo das parcerias com laboratórios internacionais, de acordo com o presidente, é aumentar a capacidade de produção do país e fortalecer os laboratórios públicos. “O ministério tinha que comprar os produtos do mercado internacional”, explica.

Com um orçamento previsto para este ano de R$ 280 milhões, Tavares conta que ele tem crescido. Em 2009, era de R$ 40 milhões, em 2013 foi de R$ 200 milhões. Boa parte dele é absorvida na compra de produtos que depois serão repassados ao ministério.

Em 2008, com orçamento de menos de R$ 40 milhões, produzia um 1 bilhão de medicamentos. Eram medicamentos básicos de menor valor agregado. “Hoje, estou diversificando a produção com medicamentos de alto custo”, conta. Dentre eles, estão a vacina contra a meningite C, talidomida, além do soro e antirretrovirais, dos quais a Funed é um dos produtores-chave. “Esses medicamentos permitem ao laboratório oficial aprender um processo e atacar uma demanda da saúde que é mais grave”, explica.

Soros

Produção. Este ano, ao menos uma parte da produção das oito a nove variedades dos soros (são 500 mil doses no país) vão passar pela Funed. Neste ano, 270 mil doses serão produzidas pela Funed.

Unidade Cinco

- A Funed está finalizando a Unidade Cinco da Gameleira voltada para biotecnologia.

- A Unidade Cinco entra em operação no fim deste ano.

- Foram investidos R$ 60 milhões na obra (fábrica de medicamentos e vacinas).

- Lá, vão ser produzidos interferon, hormônios e eritropoetina.

- Neste ano, serão produzidas embalagens de soro e vacinas e rotulagem.

Grandes números

97 milhões de medicamentos é a meta de produção da Funed neste ano

55 servidores estão na diretoria de pesquisa da Funed

49,4 mil metros quadrados é o espaço ocupado pela Funed na Gameleira, em BH

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave