A fruta perfeita

iG Minas Gerais |

acir galvao
undefined

Você sabia que o nome “banana” vem do árabe “banan”, que significa “dedo”? Curioso ter descoberto isso agora e não pensar logo no dedo médio. Ou mesmo na expressão “dar uma banana”, que significa afinal a mesma coisa. Mas, embora tenha lá seu efeito aliviador “dar uma banana”, acho injusto com a fruta. Por tudo o que ela é, mais do que representa, deveria ser sinônimo de prêmio. A banana já vem perfeitamente embalada para viagem, e, diferentemente das embalagens brasileiras, é fácil se livrar dela, não necessita de faca nem de esforço. Por isso, não precisa ser lavada. Prática, não tem sementes, nem sucos ou caldos, que sujam as mãos, ou caroços, espinhos e fiapos, para incomodar. Amadurece aos poucos, fora do pé, facilitando a colheita, o transporte e seu aproveitamento. Não existe época de banana; ela dá o ano inteiro. Saborosa e macia, nem precisava ser tão poderosa. Mas ela é. Alimento completo, é rica em carboidratos e vitaminas (A, B, C, D e E); tem alto teor de potássio, magnésio e cálcio. Por tudo isso, é combustível para o atleta e recomendada a todos aqueles que praticam exercícios físicos: fortalece os músculos e evita cãibras. É bom para o intestino, ajuda na regularização do sistema nervoso (tem ação calmante) e do aparelho digestivo. E pode ser auxílio em tratamentos de doenças que vão da anemia, passando por depressão, à TPM. In natura, é um lanche ideal. Mas é a estrela em pratos como bananada, bolos, panquecas, suflês, sorvetes, parfait; dá um toque especial como recheio de bolinho de chuva; dá sustança na vitamina; pode levar apenas açúcar e canela ou apenas aveia e mel. Mas onde ela brilha mesmo é na Torta de Banana da Memé, receita aprimorada há mais de 40 anos pela minha irmã, e no Orgasmo de Banana, (criada pela cabeça genial do Shima). Ela pode ser assada, frita ou cozida. E é também complemento de receitas salgadas: à milanesa, é acompanhamento ideal de picadinho de carne e arroz; como chutney, casa bem com coxa de frango; e como ceviche, vai uma maravilha com peixe. Isso sem falar em farofa, omelete, salada... Já esteve em músicas, todas simpáticas (“Yes, nós temos banana. Banana pra dar e vender. Banana, menina, tem vitamina. Banana engorda e faz crescer”, ou “Chiquita Bacana lá da Martinica se fez com uma casca de banana-nanica” ou “Olha a banana, olha o bananeiro”). E, ao lado dos colares e pulseiras, ela serviu de acessório para Carmen Miranda. Já foi bem baratinha. Hoje não mais, mas ainda é a mais popular das frutas no Brasil. Talvez por tudo isso, Dani Alves não tenha desperdiçado a chance. E quando, ao bater um escanteio, ele viu que um torcedor havia lhe jogado uma banana, agachou-se, pegou, descascou e comeu a fruta. Dani Alves sabe: banana faz crescer.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave