Rejeitando a ditadura dos Golias

Evento “Não Vai Ter Copa, Não Estamos no FIT” celebra arte de resistência

iG Minas Gerais | Daniel Oliveira |

Espetáculo. “1961-2014, Ano VI”, dirigida por Cida Falabella e Elisa Santana, é uma das peças que fará parte da programação da mostra
Madana Mohana
Espetáculo. “1961-2014, Ano VI”, dirigida por Cida Falabella e Elisa Santana, é uma das peças que fará parte da programação da mostra

Para Cida Falabella, coordenadora do coletivo Zap 18, o abusado meme #nãovaitercopa ainda não perdeu seu sentido. “Por mais que ele esteja sendo esvaziado, a gente tem que continuar criando alternativas à maneira como as coisas estão sendo feitas. No nosso caso, é fazer arte coletivamente, com gente participando e discutindo. É ressignificar e dar uma resposta ao esvaziamento”, defende.

É pensando nisso que o coletivo inicia hoje, às 20h, a mostra “Não Vai Ter Copa, Não Estamos no FIT” na sua sede, no bairro Serrano, e no teatro Espanca!, no centro. O evento, que conta ainda com a parceria do Coletivoz, do grupo Legítima Una e do grupo musical Boca Frôxa, vai até domingo e inclui espetáculos de teatro, dança, música, sarau de poesia e demonstração de trabalhos.

Cida conta que o “Não Vai Ter Copa” surgiu com a ideia de criar um evento paralelo à competição esportiva mundial e que questionasse a sua forma de organização. Desse posicionamento, uma crítica também ao Festival Internacional de Teatro evoluiu naturalmente. “Do jeito que foi encaminhado, a gente optou por não estar no FIT, nem concorremos”, explica a coordenadora.

Com isso, ela pontua que a mostra gratuita (e com um convite ao público para contribuir com o que puder ao fim das apresentações) se tornou “um posicionamento – não só nosso, mas de grande parte da população – em relação aos dois grandes eventos que vão acontecer na cidade”. Falabella ressalta, porém, que o evento e o coletivo não são contra o futebol. Tanto que dois dos espetáculos programados, o solo “O Ano em que Virei Adulto” e a demonstração de trabalho “O Gol Não Valeu”, giram, “dialeticamente”, em torno do esporte.

Além deles, a mostra inclui o monólogo “Memórias Póstumas de um Neguinho”, de Lucas Costa, acompanhado de um sarau organizado pelo Coletivoz; o espetáculo “Horizontinos: Cidade Inventada” sobre as origens da capital mineira, dirigido por Adyr Assumpção; “A Casca”, projeto de pesquisa e experimentação do grupo Legítima Una; e a peça “Eles Também Falam de Amor”, que aborda o universo da artista popular Efigênia Rolim, que transformou o papel de bala em matéria-prima para suas obras.

Completando o evento, estão trabalhos do repertório do próprio Zap 18, apresentações musicais e uma programação que inclui “banho de mangueira, pelada e galinhada no Bar da Rose”. Tudo isso, segundo Cida, para construir uma mostra que convida o público a ficar depois das apresentações para conversar, discutir, opinar e contribuir para o cenário político. “É a ideia da arte como espaço de resistência e de poesia. De ver a cidade com um olhar mais amoroso e crítico”, filosofa.

Agenda O QUÊ. “Não Vai Ter Copa, Não Estamos no FIT”

QUANDO. De hoje a domingo

ONDE. ZAP 18 (rua João Donada, 18, Serrano) e Teatro Espanca! (rua Aarão Reis, 542, centro)

QUANDO. Entrada franca

Programação completa. www.otempo.com.br

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave