Léo Silva revela principal pedido de Levir: marcação sobre pressão

Como perdeu fora de casa por 1 a 0, Galo terá de vencer por 2 gols de diferença para avançar às quartas de final sem precisar dos pênaltis

iG Minas Gerais | Frederico Ribeiro |

Zagueiro alvinegro também afirmou que não teme nova disputa disputa por pênaltis, assim como foi no ano passado
Flickr Atlético
Zagueiro alvinegro também afirmou que não teme nova disputa disputa por pênaltis, assim como foi no ano passado
Levir Culpi teve a primeira oportunidade de trabalhar a equipe com orientações mais prolongadas e o zagueiro Leonardo Silva explicou qual foi o teor da conversa do técnico com os titulares, no coletivo feito na Cidade do Galo, na tarde desta terça-feira. O novo comandante do Galo quer ver pressão na marcação do adversário e aproximar as linhas de ataque, meio de campo e defesa.   "Ele quer que a gente aproxime um pouco mais as linhas para que possamos pressionar os adversários", disse Léo Silva, que destacou um papel especial da zaga (subir a marcação): "Vamos marcar um pouco mais sob pressão e jogar mais próximo ao ataque, para dar suporte em eventual rebote e retomar a bola já no campo de ataque. O que faz o ataque crescer é bola na rede. Se a bola voltar a entrar, volta a ser o melhor do Brasil”, completou.   Apesar da ousadia de se jogar em cima do adversário, o Atlético não tem outra escolha para o duelo contra o Atlético Nacional, uma vez que precisa vencer por dois gols de diferença para seguir na Libertadores. Porém, atacar com efetividade requer atenção aos contra-ataques. E tomar gol não é algo que está no roteiro alvinegro.   “De maneira nenhuma podemos tomar gol, dificulta ainda mais nosso trabalho. Nosso objetivo é passar de fase. Temos de ter atenção na marcação para estarmos bem equilibrados e possamos fazer os gols”   Pênaltis não são temidos. Talvez por conta do sucesso que o Atlético teve nas disputas de pênaltis no ano passado, na Libertadores, jogar a classificação neste tipo de duelo não é algo que tira o sono de Leonardo Silva, por exemplo.   “Não tem jogo fácil na Libertadores, principalmente quando tem que reverter um placar. Já tivermos disputas bem mais desfavoráveis que conseguimos reverter. Nós pensamos em vencer a partida sem sofrer gol. Ao final, vamos ver o que conseguimos, ou a classificação direta ou a cobranças de pênaltis”, avaliou.