TJD nega pedido do Vasco para anular final do Carioca

Em julgamento, foi reconhecido o erro ao validar gol irregular do Flamengo, mas fato foi insuficiente para impugnar o jogo

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

RJ - VASCO X FLAMENGO / CAMPEONATO CARIOCA / FINAL - ESPORTES - Felipe Bastos (e) e Gabriel (d)   durante a partida Vasco x Flamengo, válida pela final do campeonato carioca 2014, no estadio do Maracanã, Rio de Janeiro, RJ. 06/04/2014 - Foto: IDE GOMES/FRAME/FRAME/ESTADÃO CONTEÚDO
ESTADÃO CONTEÚDO
RJ - VASCO X FLAMENGO / CAMPEONATO CARIOCA / FINAL - ESPORTES - Felipe Bastos (e) e Gabriel (d) durante a partida Vasco x Flamengo, válida pela final do campeonato carioca 2014, no estadio do Maracanã, Rio de Janeiro, RJ. 06/04/2014 - Foto: IDE GOMES/FRAME/FRAME/ESTADÃO CONTEÚDO

O Tribunal de Justiça Desportiva (TJD) do Rio de Janeiro negou nesta terça-feira o pedido do Vasco de impugnação da final do Campeonato Carioca, que terminou com empate em 1 a 1 graças a um gol irregular de Márcio Araújo, resultado que deu o título estadual ao Flamengo.

No despacho, o presidente do TJD, José Teixeira Fernandes, reconhece que houve erro na validação do gol, mas afirma que isso é insuficiente para anular o jogo. "Não se vislumbra como quer fazer crer o impugnante (Vasco) no presente, qualquer violação a regra do jogo, bem como a interpretação do árbitro em violar a regra", destaca. "Não se pode querer que um erro de fato se transforme em um erro de direito, claro está que houve sim um erro de fato", prossegue Fernandes.

O lance que originou o pedido de impugnação aconteceu aos 46 minutos do segundo tempo do clássico entre Flamengo e Vasco, no último dia 13. O árbitro da partida, Marcelo de Lima Henrique, validou um gol em impedimento assinalado por Márcio Araújo, já nos descontos. Na súmula, o juiz atribuiu o gol a Nixon, que estava em posição legal, mas não tocou na bola.

O relato do árbitro também foi usado como argumento pelo presidente do TJD para indeferir o pedido do Vasco. "Na súmula da partida não há qualquer menção que possa caracterizar má-fé da arbitragem, na validação do gol", assinala. "Neste sentido, decido pela manutenção do resultado da partida, por entender que a soberania do árbitro é incontestável."

Leia tudo sobre: vascoflamengotjdjulgamento