A história de um dentista que decidiu ser monge

iG Minas Gerais | Ana Elizabeth Diniz |

A opção por praticar os ensinamentos do Buda Shakyamuni, também conhecido como Buda Gautama (566 e 475 a. C), acontece naturalmente, dentro do coração de José Costa, nascido em Espinosa, Norte de Minas.  

Dentista formado pela Universidade Federal de Minas Gerais, exerceu a odontologia por dez anos até que optou por aprofundar sua prática no Japão. Hoje, é missionário da Escola Soto-Zen do Japão e uma das maiores autoridades de zen do Brasil.

Ele conta que, no Japão, sua rotina era severa. “Acordava às 3h, escovava os dentes, lavava o rosto e fazia a primeira meditação de 40 minutos. Participava de todas as atividades domésticas do templo, como preparação das refeições, limpeza e das cerimônias, práticas e estudos. No período de retiro (sesshin), que durava sete dias, fazia até 12 meditações diárias. Normalmente, a rotina do templo terminava às 21h”.

Durante 15 anos, o monge fez incansavelmente a prática do takuhatsu (mendicância) no Japão, recebendo doações que usou para adquirir o imóvel onde está o templo. “Tenho profunda e eterna gratidão ao povo japonês, que solidariamente deu o suporte necessário para poder presentear Belo Horizonte com esse belo templo zen”, alegra-se.  

A jornalista Ana Elizabeth Diniz escreve neste espaço às terças-feiras. E-mail: anadiniz@terra.com.br

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave