Clássicos com um toque popular

Orquestra apresenta temas de Guerra-Peixe e Gershwin

iG Minas Gerais | Lucas Buzatti |

Pianista canadense Ian Parker é o solista convidado do concerto
Benoit Camirand
Pianista canadense Ian Parker é o solista convidado do concerto

O concerto da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais que acontece hoje, no Palácio das Artes, celebra o legado de dois compositores que transitaram com desenvoltura entre o erudito e o popular.

O primeiro é César Guerra-Peixe (1914-1993), que completaria 100 anos em 2014. Um dos mais respeitados folcloristas do Brasil, o compositor carioca inseriu na música clássica elementos populares e folclóricos, principalmente do Nordeste, criando obras originais e pouco tocadas. “De certa forma, Guerra-Peixe é um compositor negligenciado pela literatura orquestral brasileira. Isso se deve ao fato de que muitas de suas obras não foram publicadas ou editadas de forma profissional”, explica Fabio Mechetti, diretor artístico e regente titular da Filarmônica.

O difícil acesso à obra de Guerra-Peixe foi um dos desafios da Filarmônica, que será a primeira orquestra do mundo a interpretar a “Suíte Sinfônica Nº1, Paulista” (1955). “A suíte é uma música sinfônica bem completa. Tem quatro movimentos que usam variações musicais características do interior de São Paulo. Deu bastante trabalho, não só pela escrita. mas porque o material original não foi tratado profissionalmente”, conta o maestro.

A abertura do concerto contará com outra obra de Guerra-Peixe: “Ponteado”, também de 1955. Sintética, a música se apoia em referências culturais do folclore nordestino, que guiaram grande parte da biografia do compositor e pesquisador brasileiro.

O programa da Filarmônica se completa com duas obras de George Gershwin (1898-1937), compositor norte-americano que bebeu da fonte do jazz e do blues. “Colocamos os dois compositores juntos pois ambos tinham entre trânsito entre o erudito e o popular”, explica Mechetti, comentando as obras escolhidas para o concerto. “A ‘Abertura Cubana’ [1932] é uma rumba, música bem típica de Cuba. Já o ‘Concerto em Fá’ [1925] utiliza a linguagem do jazz em toda a sua extensão. Ambas são revestidas por uma complexidade sinfônica que só uma orquestra pode oferecer”, afirma.

O “Concerto em Fá” contará com o pianista canadense Ian Parker, solista convidado da noite. “É um excelente músico, que já tocou Gershwin várias outras vezes e domina a linguagem. Vai ser uma experiência muito boa para nós e também para o público”, conclui o maestro.

Agenda

O quê. Concerto da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

Quando. Hoje, às 20h30

Onde. Grande Teatro do Palácio das Artes (av, Afonso Pena, 1.537, centro, 3236-7400)

Quanto. Plateia I: R$ 70 (inteira) e R$ 35 (meia). Plateia II: R$ 54 (inteira) e R$ 27 (meia). Plateia Superior: R$ 36 (inteira) e R$ 18 (meia)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave