Menino encontrado em lote sai do UTI e começa a recobrar consciência

Garoto agora já respira sem aparelhos e está na enfermaria do João XXIII; ele ainda não consegue falar, mas não está inconsciente

iG Minas Gerais | JOSÉ VÍTOR CAMILO |

Lote vago. 

Menino foi achado em lote, desacordado e com um ferimento na cabeça
DENILTON DIAS /O Tempo
Lote vago. Menino foi achado em lote, desacordado e com um ferimento na cabeça

Após passar 12 dias inconsciente, o garoto de 10 anos que foi espancado e abandonado em um lote vago no bairro Diamante, na região do Barreiro, começa a recobrar a consciência. A informação é da assessoria do Hospital João XXIII, que confirma que a criança saiu da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e agora já está na enfermaria.

De acordo com a unidade de saúde, o garoto, que deu entrada sem qualquer identificação no dia 16 de abril, já respira sem a ajuda de aparelhos e se alimenta através de sonda. Apesar de já não estar mais inconsciente, a criança ainda está muito confusa, sendo que ainda não está falando. Para a família do garoto, que o reconheceu no último dia 23, ele estar se recuperando é um grande alívio.

"A gente fica mais feliz, porque ele está acordando. Ele demonstra algumas expressões, mas ainda não fala. Só dele estar respirando sozinho é um alívio. Agora é só esperar ele melhorar, estamos cada vez mais otimistas", disse o irmão da criança, que preferiu não ser identificado. Ainda segundo o parente, ainda não se sabe se a criança voltará a andar. "Mas ele já tenta se levantar da cama, se apoia nos braços, o que já é um grande avanço", comemora o familiar.

Sobre a possibilidade do garoto relembrar quem fez aquilo com ele, o irmão já não é tão otimista. "Acho que demora um pouco para ele conseguir lembrar de alguma coisa, até mesmo da gente. Não será fácil para ele. Mas a gente espera sim que a gente consiga descobrir o que aconteceu. Mas, de qualquer forma, a justiça de Deus nunca falha", finalizou o irmão.

Relembre

A criança foi encontrada com indícios de espancamento em um lote vago no bairro Diamante, na região do Barreiro, no último dia 16. Ele teve perda de massa encefálica e foi encontrado por um morador da região, que chamou a polícia.

Quando foi encontrado, o garoto usava uma calça de uma escola do bairro João Pinheiro, na região Noroeste da capital mineira. As diretoras da instituição foram as primeiras a comparecer no João XXIII, ainda no dia em que ele foi encontrado, e não conseguiram reconhecer a criança como ex-aluno da unidade escolar.

No último dia 23, a mãe da criança finalmente o reconheceu. Em conversa com O TEMPO, ela contou que ele é extremamente alegre e agitado,além de brincalhão. Ele estava matriculado no sexto ano da Escola Municipal Benjamin Jacob. Segundo a mulher, o pai da criança nunca deu assistência e ela tem que arcar sozinha com as despesas. “Desde que ele tinha 5 anos que ele tem esse costume de fugir. Por isso achei que fosse só mais um dos desaparecimentos dele, mas ele sempre aparecia depois”, contou a mulher.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave