Árbitro ajuda São Paulo e Cruzeiro sofre golpe de misericórdia no fim

Raposa tropeça em casa, após Wagner Nascimento Magalhães dar uma 'mãozinha' para o Tricolor Paulista no Triângulo Mineiro

iG Minas Gerais | GUILHERME GUIMARÃES |

Um duelo de gigantes, de clubes acostumados a grandes jogos e conquistas. Assim é, sempre, uma partida entre Cruzeiro e São Paulo. Neste domingo não foi diferente, mas um erro da arbitragem manchou o encontro das equipes, confronto que terminou em 1 a 1, no Parque do Sabiá, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Gols de Júlio Baptista e Antônio Carlos.

Wagner Nascimento Magalhães, árbitro do jogo, ajudou o São Paulo a dar um golpe de misericórdia na Raposa, que até saiu na frente do placar e ficou perto da vitória. Nos acréscimos do segundo tempo, após falta marcada de forma equivocada pelo juiz, o empate amargo no Triângulo Mineiro.

Julio Baptista,- cria das categorias de base do time do Morumbi -, que enfrentava o seu ex-clube pela primeira vez, abriu o marcador aos 5 min do segundo tempo. Antônio Carlos, o zagueiro artilheiro do Tricolor Paulista, empatou aos 46 minutos da etapa final.

A falha do árbitro, que auxiliou o empate são-paulino no fim, colocou em segundo plano o confronto particular de dois dos grandes treinadores do futebol brasileiro na atualidade, Marcelo Oliveira e Muricy Ramalho. Ambos foram jogadores contemporâneos, com carreiras iniciadas na década de 70 e, mais de 40 anos depois, agora como técnicos, voltaram a ficar frente a frente.

Grandes conhecedores e estudiosos do futebol, os comandantes armaram suas equipes com o que tinham de melhor. Resultado disso, um jogo truncado, muito tático e em certos momentos bem amarrado por conta da forte marcação.

Marcelo Oliveira não conseguiu fazer com que a Raposa quebrasse o longo tabu de dez anos sem vitória como mandante diante do São Paulo. A última vez que os celestes venceram o time do Morumbi em casa foi em 2004.

Com o resultado no Triângulo, já que jogou longe do Mineirão por conta de punição do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), os azuis somam apenas um ponto, fato muito lamentado pelo goleiro e capitão Fábio.

“Brincadeira, duas faltas que ele não deu no Henrique. Depois, na sequência, o Bruno Rodrigo protegeu a bola, o Luis Fabiano puxa por trás, como é que o nosso zagueiro faz falta? Dois pontos que não voltam mais por um erro bobo do juiz”, reclamou o camisa 1 estrelado.

O próximo compromisso cruzeirense é diante do Atlético-PR, no estádio Mané Garrincha, em Brasília, pela terceira rodada. A partida é no sábado, dia 3 de junho. O mando de campo é do Furacão.