Confiante em acordo com AGU, Alexandre Kalil busca auxílio no PT

Alexandre Kalil espera chamada para resolver liberação do dinheiro da venda de Bernard; Rogério Correia, deputado estadual, vira auxiliar na questão

iG Minas Gerais | frederico ribeiro |

Atlético se sentiu prejudicado e protocolou queixa contra a arbitragem
FERNANDA CARVALHO/O TEMPO
Atlético se sentiu prejudicado e protocolou queixa contra a arbitragem
Após várias reuniões seguidas com o ministro Luis Adams, advogado-geral da União, e representantes da Procuradoria da Fazenda Nacional, em Brasília, o Atlético conseguiu dar importantes passos para renegociar as dívidas trabalhistas e liberar os 54 milhões de reais recorrentes da transferência de Bernard ao Shakthar Donetsk-UCR. Só que é preciso ainda carimbar o acordo e uma nova reunião entre Kalil e Adams ainda não está prevista. Mas o presidente atleticano conta com aliados em Minas Gerais do campo da política.   Para conseguir agilizar o processo com a AGU, o presidente atleticano já apresentou números detalhados da dívida do clube e quer uma proposta na qual o Galo consiga garantias de pagar o que deve ao Governo. Para tanto, houve até uma reunião na última quinta-feira com o deputado estadual mineiro Rogério Correia, da bancada do PT.    "O dinheiro do Bernard vai aparecer, mas nós precisamos que o Partido dos Trabalhadores (PT) se uma ao Atlético, ao Cruzeiro e ao futebol. São todas as bancadas, a Dilma, o Fernando Pimentel", afirmo o presidente alvinegro, à Rádio Itatiaia.   O Galo, neste momento, espera uma posição da Advocacia-Geral da União para ser chamado. A expectativa é que não será preciso mais do que um encontro formal para selar o acordo. O Atlético precisa do dinheiro de Bernard e, além disso, não se sente confortável em negociar atletas por conta do bloqueio feito pela Fazenda Nacional no ano passado.   Alexandre Kalil, que se filiou ao PSB mineiro, mesmo partido de Daniel Nepomuceno, seu vice no Atlético. Kalil apoia o governo de Antonio Anastasia e está em seu último ano de gestão à frente do Galo. Mas, para sair do clube com as contas em dia (cerca de 15 dias de atraso salarial), vale pedir auxílio para o Partido dos Trabalhadores.   Em relação à resolução da liberação do dinheiro de Bernard, Alexandre Kalil afirmou que tudo deve encaminhar para o final feliz: "Eu tenho absoluta tranquilidade que vai pintar o dinheiro do Bernard, até pela conversa com o ministro Luís Adams e pela bancada do Partido dos Trabalhadores (PT), que tem que trabalhar e tem trabalhado para que o Atlético resolva esta situação. Estamos lutando", disse.  

Leia tudo sobre: galoatleticoagukalildinheirobernardptpoliticafutebolalexandre kalil