Presidente da Lusa critica punição pedida por STJD

Promotoria do Superior Tribunal de Justiça Desportiva pede a exclusão da Portuguesa da Série B

iG Minas Gerais | Agência Estado |

undefined

O presidente Ilídio Lico classificou como "muito exagerado" o pedido de exclusão da Série B do Campeonato Brasileiro apresentado pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) na manhã desta sexta-feira contra a Portuguesa, pelo abandono de campo na partida contra o Joinville. "É muito exagerada. Não era para tudo isso, mas vamos seguir em frente. Nós respeitamos a Justiça brasileira e também a Justiça desportiva", disse o presidente, evitando criticar a decisão. O departamento jurídico aguarda a notificação oficial para preparar a defesa. A Portuguesa foi denunciada em dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD) - 205 e 231, que preveem perda de pontos para o adversário, exclusão do campeonato e multa de até R$ 100 mil, respectivamente. O clube foi enquadrado também no artigo 69-2 do Código Disciplinar da Fifa, que pode acarretar na exclusão da Portuguesa do Brasileiro. Argel Fucks, técnico da Lusa, Marcos Lico, membro da diretoria, e Ilídio Lico, presidente do clube, serão denunciados no mesmo artigo do CBJD, mas com punições diferentes. Enquanto o treinador Argel pode ser suspenso de 6 a 12 partidas, os dois dirigentes devem pegar penas mais dura, com suspensão prevista de 180 a 360 dias mais multa de até R$ 100 mil. Marcos Lico foi denunciado ainda no artigo 258-B, o que pode lhe render de 15 a 180 dias de suspensão. No último sábado, a Portuguesa abandonou a partida contra em Joinville aos 17 minutos da primeira etapa, alegando que seu presidente foi intimado a obedecer uma liminar, concedida a um torcedor, que a garantia na Série A do Brasileiro. Ilídio Lico, de acordo com a versão oficial do clube, poderia ser preso se não respeitasse a decisão judicial. A equipe aguarda agora a decisão do Tribunal. O clube ainda não foi comunicado da ação.

Leia tudo sobre: Ílidio LicofutebolSérie BPortuguesaLusarebaixamentopunição