Mineiro Glover Teixeira tenta a glória diante de campeão Jon Jones

Lutadores se enfrentam neste sábado, em Baltimore, pelo UFC 172; cinturão da organização pode vir para Minas Gerais pela primeira vez

iG Minas Gerais | JOSIAS PEREIRA |

E eis que chegou a hora de Glover Teixeira mostrar ao mundo o seu valor. O mineiro de Sobrália, município localizado no Vale do Rio Doce, terá a oportunidade de entrar na seleta galeria de campeões do UFC e se tornar o primeiro lutador de Minas Gerais a conquistar um cinturão da maior liga de artes marciais mistas do mundo.  Mas, para realizar este sonho, ele terá que superar nada menos que Jon "Bones" Jones. Os dois se enfrentam pelo título da categoria meio-pesado neste sábado, em Baltimore, na arena de nome homônimo, pelo UFC 172.  O evento está programado para começar a partir das 20h30 (de Brasília).

Para os amantes das artes marciais mistas, o nome de Glover Teixeira não é nenhum mistério. O lutador ostenta uma retrospecto de 22 vitórias e apenas duas derrotas em seu cartel. O último triunfo foi conquistado justamente em Belo Horizonte no ano passado. Na ocasião, Glover derrotou o norte-americano Ryan Bader ainda no primeiro round.

Duelo complicado. A luta se desenhava bastante complicada para o brasileiro, que ficou surpreso com a opção do adversário pela trocação. Absoluto no jiu-jitsu, o "Rocky Balboa" de Sobrália acabou envolvido no jogo de Bader. No entanto, a recuperação veio na mesma moeda. Glover engatou um contra-ataque fulminante e acertou um diretaço de direita no rosto do norte-americano. Logo em seguida, uma chuva de golpes para eliminar qualquer possibilidade de reação e a vitória. O Mineirinho foi à loucura.

Lutando para ser aceito pelos fãs

O triunfo selou o passaporte para a disputa do cinturão dos meio-pesados. Mas Glover teve que esperar a sua vez. Do outro lado da moeda, o campeão Jon Jones  teria que defender sua condição de campeão frente ao sueco Alexander Gustafsson poucos dias depois da vitória de Teixeira. O norte-americano, que já tinha enfrentado lutas duríssimas contra Vitor Belfort e Chael Sonnen, esteve bem próximo de dar adeus ao cinturão. Resistente, Gustafsson impôs ao campeão enormes dificuldades, tanto que a vitória de Jones só foi decidida pelos juízes. Contra Glover, o norte-americano fará sua sétima defesa de cinturão e, desta vez, ele quer dar fim a qualquer dúvida sobre sua qualidade dentro do octógono.

"Outras pessoas não estão contentes com onde eu estou, isso os irrita de alguma forma, e se fazem parecer fracas ao falar m*** de mim. Apenas acordo todos os dias como Jon Jones, lendo os comentários, os positivos e os negativos, e vivendo com isso. No meu caminho até este ponto, foi doloroso, sempre me perguntando "Por que?" "Por que não sou um favorito dos fãs?" "Por que sou tão criticado toda hora?" Mas neste ponto, não é mais doloroso. Penso que, enquanto estiver cuidando da minha família, quebrando recordes e continuando a me sair bem, continuando a conseguir novos patrocínios, tudo está funcionando", afirmou Jones, em entrevista concedida durante o Media Day do UFC 172, em Baltimore.

"Muhammad Ali era odiado e foi adorado no final da carreira, Floyd Mayweather era odiado e muitas pessoas estão começando a entendê-lo. Então, tento me manter positivo, não ofender muitas pessoas no caminho e desejar o melhor", completou Jones, que hoje é considerado o melhor lutador peso por peso do UFC.

Tranquilidade mineira

Enquanto isto, a luta que Glover Teixeira vem travando no momento é com a ansiedade. Apesar disto, o mineiro, que como tantos outros do Vale do Rio Doce foi viver o sonho americano na juventude, se diz tranquilo para o maior desafio da sua vida. Para quem teve que conviver com inúmeras idas e vindas e que soube esperar pelas oportunidades, entre elas até mesmo o próprio visto para retornar aos Estados Unidos e competir legalmente no UFC, subir ao octógono e encarar Jones não parece ser um motivo de grande temor.

"A gente não vai ficar falando um com o outro, mas pareceu um cara maneiro. Depois que eu ganhar o cinturão dele, vou pagar uma cerveja para ele (risos)", brincou.

"Estou tranquilo para lutar, estou fazendo o que eu gosto, treinei muito. Já pensei até em algumas lutas passadas… Na minha primeira luta no UFC, eu estava tranquilão, e senti, "Caraca, não é para eu estar tão tranquilo assim". Tento me colocar nervoso. Mas estou me sentindo do mesmo jeito. Eu gosto de estar aqui, de fazer isso, me divirto muito", concluiu Teixeira.

Confira o countdown para o UFC 172:

Estatísticas. Atualmente, o Brasil possui apenas dois cinturões do UFC contra sete dos norte-americanos (inclui-se a categoria peso galo feminino com a lutadora Ronda Rousey). José Aldo, no peso pena, e Renan Barão, no peso galo, são os representantes do país na galeria de campeões da organização. Na categoria meio-pesado, o Brasil não possui um campeão desde 2011, quando Shogun foi derrotado por Jon Jones em Newark, Nova Jersy. Caso Glover Teixeira vença o rival norte-americano neste sábado, o lutador de Sobrália será o quarto brasileiro campeão dos meio-pesados ao lado de Vitor Belfort, Lyoto Machida e Maurício Shogun.

Por sua vez, com uma vitória, Jon Jones poderá manter seu cinturão pela sétima luta consecutiva. Desta forma, ele ultrapassaria José Aldo e se aproximaria dos recordes obtidos por Georges St.Pierre (nove defesas de cinturão) e Anderson Silva (dez defesas de cinturão). Atualmente, o norte-americano é o lutador que mais defendeu sua condição de campeão em toda a história da categoria meio-pesado do UFC. 

UFC 172 26 de abril de 2014, em Baltimore (EUA)

CARD PRINCIPAL Peso-meio-pesado: Jon Jones x Glover Teixeira Peso-meio-pesado: Phil Davis x Anthony Johnson Peso-médio: Luke Rockhold x Tim Boetsch Peso-leve: Jim Miller x Yancy Medeiros Peso-pena: Max Holloway x Andre Fili

CARD PRELIMINAR Peso-mosca: Joseph Benavidez x Tim Elliott Peso-leve: Takanori Gomi x Isaac Vallie-Flagg Peso-galo: Jessamyn Duke x Bethe Correia Peso-leve: Danny Castillo x Charlie Brenneman Peso-galo: Chris Beal x Patrick Williams

Leia tudo sobre: ufclutaufc 172glover teixeirajon jonesmeio-pesadobaltimore