Trabalhadores da educação entram em greve em Contagem

Paralisação foi anunciada nessa quarta-feira e vale por tempo indeterminado; uma nova assembleia foi marcada para o dia 29 de abril

iG Minas Gerais | Bruna Carmona |

Professores votaram pelo início da greve durante assembleia geral
Sind-Ute Contagem/Divulgação
Professores votaram pelo início da greve durante assembleia geral

Os trabalhadores da educação de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, decidiram entrar em greve por tempo indeterminado durante assembleia-geral realizada na tarde dessa quarta-feira (23). De acordo com o Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-Ute) Contagem, o objetivo da paralisação é protestar contra a desvalorização da categoria e a falta de proposta de reajuste salarial com ganhos reais, que não seja paga de forma parcelada. Além disso, a categoria quer plano de saúde, licença remunerada para estudo e o fim das terceirizações.

De acordo com o Sind-Ute Contagem, em reunião realizada nessa terça-feira (22), o governo não apresentou uma proposta para a pauta da Campanha Salarial 2014 e alegou que a Prefeitura de Contagem não tem fundos para pagar o reajuste com base na inflação. No encontro, que durou mais de quatro horas, a administração informou que se for concedido um aumento salarial pela inflação em 5,8%, o pagamento do reajuste deverá ser parcelado.

A próxima assembleia geral da categoria está marcada para a manhã do dia 29 de abril. Em nota, o Sind-Ute Contagem afirmou que, em respeito às comunidades que atendem, os trabalhadores durante a greve realizarão atividades regionalizadas para o diálogo com a comunidade, enquanto aguardam que o governo municipal se manifeste.

Segundo o sindicato, a pauta de reivindicações foi protocolada no dia 23 de fevereiro e ainda não recebeu proposta formal por parte da Secretaria de Educação.

A Prefeitura de Contagem foi procurada pela reportagem de O TEMPO e deve se manifestar sobre a greve ainda nesta quinta-feira.

Leia tudo sobre: assembleiaprofessorescontagemgreveparalisaçãoindeterminadotempo