Irregular mas talentoso: conheça o Atlético Nacional

Equipe colombiana tem um meio-campo técnico, um ataque rápido e bons jogadores, mas peca pela fragilidade defensiva e irregularidades

iG Minas Gerais | GABRIEL PAZINI* |

Equipe colombiana tem muito talento, mas também irregularidades em seu jogo
Reprodução/Facebook
Equipe colombiana tem muito talento, mas também irregularidades em seu jogo

O Galo enfrenta o Atlético Nacional, da Colômbia, às 22h desta quarta-feira, na casa do rival, o Estádio Atanasio Girardot, em Medellín. O nome homenageia o héroi da independência da Colômbia e da Venezuela. O time colombiano se destaca pela boa técnica, meio-campo talentoso, ataque rápido e bons jogadores, mas também tem uma defesa frágil e apresenta um jogo irregular.

Como joga

O Atlético Nacional atua no 4-1-4-1 que, pela movimentação intensa dos homens de meio-campo, varia para o 4-1-2-2-1 e também para o 4-1-1-1-2-1. O time tem um ataque forte pelo lado direito e pelo centro, e também chega bem pela esquerda, mas com menos qualidade do que pelas outras faixas do campo. No entanto, um dos pontos fortes do Atlético Nacional é justamente uma boa notícia para o Galo: o camisa 10 Cardona, excelente e talentoso meio-campista, de 21 anos, cumprirá suspensão automática e não joga nesta quarta-feira. O meia é o principal jogador dos colombianos e atua aberto pela direita. Com a ausência do camisa 10, o Nacional perde muita força no setor.

No entanto, nem só de Cardona vive a equipe colombiana. Os meias Cárdenas e Medina também são bons jogadores e destaques do time. O camisa 7 e o camisa 2, respectivamente, flutuam no meio-campo. Os dois se revezam entre formar a dupla de volantes com o número 13 e capitão Mejía - que é o primeiro volante do Nacional -, e armar as jogadas ofensivas da equipe pelo centro e pelos lados do campo, além de chegar ao ataque para definir os lances. Já o camisa 19 Díaz, atua aberto pelo lado esquerdo da meia-cancha colombiana. Além de atacar pelo setor, ele também volta muito para ajudar na marcação.

O meio-campo é o principal setor do time de Medellín, onde estão os destaques do time, mas também é bom prestar atenção em outros dois jogadores. O veterano Juan Pablo Ángel é o camisa 9 e matador da equipe. Outro nome importante é Bocanegra, camisa 22 e lateral-direito do Nacional, que chega muito bem e com qualidade ao ataque.

Deficiências

O time é muito técnico, tem bons jogadores, um estilo de jogo bonito, ofensivo, de troca de passes e envolvente, no entanto, o Atlético Nacional também tem as suas deficiências.

A linha de quatro defensiva não passa segurança, nem o goleiro Armani. Além disso, muito em função do jogo ofensivo, a marcação da equipe fica prejudicada, com buracos e muitos espaços durante boa parte do jogo. O lateral-esquerdo Valencia fica mais fixo na marcação, mas Bocanegra, pelo lado direito, sobe muito ao ataque, o que deixa Mejía fixo no meio-campo para cobrir o companheiro. Como Cárdenas e Medina flutuam no meio-campo e são ofensivos, o time fica aberto ou com uma marcação deficiente mesmo quando a dupla volta para compor o sistema defensivo. O Galo pode se dar bem se utilizar a estratégia dos contra-ataques rápidos, principalmente pelo lado direito da defesa colombiana.

Além disso, pesa, também, a irregularidade do time. O Atlético Nacional não fez bons jogos contra o Grêmio, mesmo em casa, e foi derrotado em ambos os jogos. No entanto, a equipe engoliu o bom time do Newell's Old Boys na Argentina, e se classificou para às oitavas de final fora de casa.

Ex-cruzeirense

A torcida do Cruzeiro não se lembra com carinho do meio-campista Diego Árias, que teve passagem apagada pela Raposa em 2012. Pois bem, o meia é um substituto em potencial de Cardona, e pode enfrentar o Galo nesta quarta-feira.

Bom momento

Além de se classificar na Libertadores, o Atlético Nacional é o atual campeão colombiano e foi líder na primeira fase do Apertura 2014. O time enfrentará o Envigado nas quartas de final do torneio e só perdeu três jogos nas últimas 15 partidas - sete vitórias e cinco empates. No entanto, apesar do bom momento, vale lembrar que os colombianos não vão contar com seu principal jogador, Cardona, e tem mostrado irregularidade na Libertadores.

Histórico

Atlético e Atlético Nacional nunca se enfrentaram por torneios continentais, mas existe um histórico favorável ao Galo. O time colombiano, historicamente apanha de brasileiros na Libertadores: são 12 derrotas, três empates e apenas três vitórias para a equipe de Medellín. Também é válido destacar que o duelo é o único entre campeões do torneio continental nas oitavas de final da edição atual.

*com supervisão de Leandro Cabido

Leia tudo sobre: atletico nacionalatleticogalolibertadoresoitavas de finalfutebolesporteraio x