Homem morto em protesto no Rio é identificado

Edilson da Silva dos Santos foi baleado durante manifestação dos moradores dos morros Pavão-Pavãozinho e Cantagalo, que protestavam contra a morte do dançarino DG

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Foi identificado como Edilson da Silva dos Santos o homem morto a tiros na noite desta terça-feira (22), durante protesto de moradores dos morros Pavão-Pavãozinho e Cantagalo.

A manifestação, contra a morte do dançarino Douglas Rafael da Silva Pereira, foi muito violenta. Vias importantes do bairro, como a Avenida Nossa Senhora de Copacabana, a Rua Raul Pompeia e o túnel Sá Freire Alvim, foram interditadas por barricadas de fogo.

Santos foi baleado na cabeça durante o confronto dos manifestantes e de policiais militares. Ele morava na comunidade assim como o dançarino, de 26 anos, que trabalhava no programa Esquenta (Rede Globo), apresentado pela atriz Regina Casé.

O protesto, iniciado no início da noite, se estendeu pela madrugada. A situação agora é aparentemente calma. A Polícia Militar (PM) reforçou a vigilância nos acessos e no alto das favelas.

O complexo Pavão-Pavãozinho-Cantagalo deveria estar pacificado. Mas, diferentemente do que o governo estadual alardeia já há cinco anos, desde que implantou uma Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), os tiroteios têm sido constantes.

A Polícia Civil informou ter aberto inquéritos para apurar as mortes de Santos e Pereira. Moradores responsabilizam policiais militares da UPP.

No caso do dançarino, existe a suspeita de que ele tenha sofrido uma queda, porque o corpo não tinha marcas de tiros.

Mas amigos e parentes acusam os PMs de o terem espancado até a morte na segunda-feira (21). O corpo foi achado nesta terça (22), à tarde, em uma creche.  

Leia tudo sobre: crimemorteprotestomanifestação