Câmeras da Estação Diamante vão ajudar nas investigações

iG Minas Gerais | Luiza Muzzi |

Uma confusão no repasse de informações, aliada ao feriado prolongado, pode ter atrasado o início das investigações sobre a história do garoto agredido na semana passada. Na tarde dessa terça, a assessoria de imprensa da Polícia Civil afirmou que a corporação já estaria investigando o caso, e que o delegado responsável, Júlio Campos Zica, da 2ª Delegacia do Barreiro, já teria inclusive contatado a Divisão de Referência da Pessoa Desaparecida para saber se havia registro de alguém com o perfil do garoto.  

À reportagem, porém, tanto o delegado quanto o inspetor Cláudio Teixeira afirmaram que ainda não haviam recebido o caso, e que somente nesta quarta mobilizariam sua equipe para dar início às investigações.

No começo da tarde dessa terça, a informação que a delegacia tinha era a de que o garoto teria morrido no sábado. “De manhã, me passaram a informação de que o menino tinha falecido, e à tarde comunicaram que não tinha. Então pedi para repassarem a ocorrência para mim”, explicou o delegado Júlio Campos Zica. “Vamos tentar identificar o menino, e a partir daí instaurar o inquérito para apurar o que aconteceu. Ninguém agride uma criança do nada”.

Segundo Teixeira, além de colher depoimentos, a equipe vai solicitar imagens das câmeras de vigilância da Estação Diamante, próxima ao local onde o menino foi achado. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave