Capitão do tri vê Brasil favorito e 'no mínimo na semi'

Carlos Alberto Torres está otimista em relação ao desempenho do time de Scolari no Mundial em casa. Ele é personagem de destaque no Tour da taça do Mundial

iG Minas Gerais | Agência Estado |

Divulgação
undefined

Capitão do tricampeonato do Brasil em 1970, Carlos Alberto Torres exibiu otimismo nesta terça-feira ao projetar as chances de a seleção brasileira conquistar o hexacampeonato mundial na Copa de 2014. O ex-lateral falou sobre o assunto ao figurar nesta manhã, no Maracanã, como personagem de destaque da exposição da taça do Mundial, que ficará exposta no estádio até esta sexta, antes de iniciar uma turnê de 41 dias que passará pelas outras 26 capitais no País. Ao falar sobre o ciclo que a seleção brasileira iniciou após a traumática eliminação diante da Holanda nas quartas de final da Copa de 2010, Torres enfatizou: "Eu destaco o trabalho do Mano Menezes, que apostou em jogadores novos. E depois teve a mudança com a entrada do Felipão, um campeão mundial, e com certeza ele vai conduzir a seleção pelo menos até a semifinal. Temos de reconhecer que o Brasil, jogando em casa, com essa grande seleção que nós temos, é o favorito". Já ao ser questionado sobre quais são os outros maiores aspirantes ao título da Copa, o ex-jogador ressaltou que "os favoritos são os de sempre, nunca tem zebra" e citou Alemanha, Argentina, Holanda e Espanha como os outras seleções donas das maiores chances de ficar com a taça. Torres também falou nesta terça-feira sobre a situação de Neymar que se machucou e poderá não mais atuar nesta temporada europeia com a camisa do Barcelona. E o ex-lateral acabou vendo essa pausa como benéfica para o atacante. "Uma contusão sempre preocupa, mas talvez possa ser bom porque dá um descanso para ele, já que o médico garantiu que até em três semanas ele fica bom. Ou seja, faltando um mês para Copa, acho que ele vai estar pronto", previu. No evento desta terça, no Maracanã, muitas crianças de escolas particulares e estaduais do Rio marcaram presença no início da exposição da taça da Copa. Elas formaram grandes filas para ver o objeto de perto, sendo que os visitantes aproveitaram a oportunidade para tirar fotos e um palco, com a presença de um DJ tocando música, foi montado para animar o público.