Nilton recebe elogios do técnico e comenta tarde de herói e vilão

Jogador que tenta recuperar espaço no Cruzeiro se destacou no jogo com gol marcado e pênalti cometido

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Nilton espera estar à disposição do técnico Marcelo Oliveira para enfrentar o Vitória
Washington Alves/VIPCOMM
Nilton espera estar à disposição do técnico Marcelo Oliveira para enfrentar o Vitória

Na campanha que levou o Cruzeiro ao tricampeonato nacional em 2013, o volante Nilton era titular absoluto e um dos pilares da equipe celeste. Nesta temporada, o jogador teve que passar por todo um demorado processo de recuperação após cirurgia no joelho direito que acabou o fazendo perder espaço. Mas, a moral com o treinador não diminuiu, principalmente depois de voltar a ser decisivo em um jogo.

Nilton foi um dos destaques da vitória estrelada sobre o Bahia, na estreia no Campeonato Brasileiro, em plena Fonte Nova. Além de cumprir bem sua função e dar boa proteção à zaga, marcou o primeiro gol da Raposa reeditando uma de suas armas do ano passado, o cabeceio.

Marcelo Oliveira não poupou elogios ao volante, que soube assimilar bem as orientações do técnico. Inclusive, o comandante deixou claro que conta e muito com Nilton.

”O Nilton jogou de forma diferente e ficou mais preso do que no ano passado. Ele marcou bem, apesar de ter levado cartão cedo. É um grande jogador e a questão é apenas que ficou parado por muito tempo. A questão é ter ritmo”, disse.

Assim como o treinador, Nilton destacou a função exercida diante do Tricolor baiano, mais preso à marcação, não deixando, porém, de se apresentar como elemento surpresa no ataque e de forma fatal.

"Acho que fiz boa partida, posso melhorar ainda, mas estou procurando crescer, fiz papel diferente hoje (domingo), jogando mais recuado, mas sempre falei que quando tiver chance vou para o ataque e hoje saio como mocinho", avaliou Nilton, que ainda mostrou alívio por ter saído de campo como mocinho, e não vilão, já que, apesar do gol feito, ele teve participação direta na tento anotado pelo adversário, ao cometer pênalti.

"Às vezes a gente é herói, outras vilão. Graças a Deus não saí como vilão, se saísse o empate eu ia ficar chateado, mas conseguimos a vitória. Mas, não poderia ser diferente, pelo que apresentamos fora de casa, sempre é difícil jogar fora de casa", concluiu.

Leia tudo sobre: cruzeiroraposaniltonvolantegolpenaltiheroivilao