Eleição presidencial começa com a marca do imprevisível

Resultado da Copa do Mundo poderá atingir a candidata à reeleição de forma positiva ou negativa

iG Minas Gerais | Flávia Carneiro |

Aécio pode ser beneficiado com um resultado negativo do Mundial
MARCELO D. SANTS
Aécio pode ser beneficiado com um resultado negativo do Mundial

O aumento da inflação, a economia em baixo crescimento, a crise no setor energético brasileiro e o alto índice de rejeição à classe política prometem embaralhar a disputa presidencial deste ano. Cientistas políticos analisam que a eleição majoritária de 2014 será a mais imprevisível do Brasil, desde o fim da ditadura militar. A presidente Dilma Rousseff (PT) lidera as pesquisas de intenção de voto seguida à distância pelo senador tucano Aécio Neves e pelo ex-governador Eduardo Campos, do PSB, mas o cenário é complexo. As intenções de voto e a popularidade de Dilma estão em queda.

Segundo o sociólogo e cientista político Rudá Ricci, o país vive uma situação inusitada, em que tudo pode acontecer nos próximos meses, pois a queda na popularidade de Dilma não está beneficiando diretamente a oposição. “A transferência de votos para os candidatos Aécio Neves e Eduardo Campos não está acontecendo. Há uma rejeição à classe política brasileira, o que pode aumentar o nível histórico dos votos brancos, nulos e abstenções. Esse índice pode chegar a cerca de 30%, bem maior que os 20% registrados em eleições anteriores”, analisa.

Rudá Ricci afirmou que se o Brasil sair vitorioso na organização da Copa do Mundo e também na competição, a euforia poderá abalar o discurso crítico no país, beneficiando a candidatura da presidente. Por outro lado, se o Brasil perde a Copa, as manifestações populares podem ganhar força e contaminar as eleições.

O sociólogo acredita que haverá alterações na aliança entre o ex-governador Eduardo Campos e a ex-senadora Marina Silva, que poderá assumir a cabeça da chapa. “A pressão para essa mudança será imensa até 20 dias antes do pleito, data limite permitida pela Justiça Eleitoral. Se isso acontecer, o PT vai usar o seu maior trunfo para ganhar as eleições, ou seja, alterar também seu candidato, colocando no lugar de Dilma o ex-presidente Lula.”

Já o professor de ciência política da UFMG Manoel Santos acredita que os dois candidatos de oposição, Aécio Neves e Eduardo Campos, devem subir de forma significativa nas próximas pesquisas de intenção de voto, embolando a disputa presidencial. “Dilma Rousseff tem uma inabilidade política tremenda, não consegue se entender com a base aliada no Congresso Nacional nem com os próprios militantes do PT. Já os candidatos de oposição estão atentos à gestão pública, fizeram bons governos em seus Estados e possuem DNA político”, comenta.

“Os jovens brasileiros que participaram das manifestações de 2013 poderão voltar para as ruas durante a Copa do Mundo, o que pode abalar a candidatura da presidente Dilma”. Essa análise é do professor de ciência política da PUC-Minas Gilberto Damasceno. Ele diz que os candidatos à Presidência não sabem lidar com essa juventude que ocupa as ruas.

Comparativo

As pesquisas de intenção de voto 05 a 9 de abril de 2010 Sensus – Dilma Rousseff com 34% e José Serra com 36,8%

15 a 16 de abril 2010 - Datafolha – Dilma Rousseff com 29% e José Serra com 40%

13 a 18 de abril 2010 - Ibope – Dilma Rousseff com 32% e José Serra com 40%

6 a 8 de abril de 2014 - Vox Populi – Dilma Rousseff com 40%, Aécio Neves com 16% e Eduardo Campos 8%

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave