“Políticos não têm medo do grampo”

Protógenes Queiroz - Ex-delegado da PF

iG Minas Gerais |

O senhor acredita que os políticos têm medo de serem flagrados em escutas da polícia? O bandido comum tem medo, fala em códigos, procura outros canais. Mas ele sempre vai falhar e se descuidar em algum momento. Os políticos não têm medo ou pudor. Eles sabem que têm foro privilegiado e que não serão punidos.

Muito se critica o vazamento de áudios da PF. O senhor acha que há interferência política na corporação? Na operação Satiagraha deu para se ter ideia do peso da interferência dos Poderes da República. Tentaram parar a investigação e depois desqualificá-la. Esse problema ainda permanece.

Qual a orientação quando se percebe a ligação de um político com um dos investigados? Imediatamente, temos que comunicar à direção e enviar o trecho ao Supremo Tribunal, pedindo autorização para grampear aquele político, mas é um processo demorado e que não costuma ser autorizado. Se não conseguimos autorização, não podemos citar esse trecho no relatório e descartamos o material. (TT)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave