Com Gabriel como dúvida, Santos aposta no ataque

Oswaldo de Oliveira não informou a escalação do time, porém antecipou que os experientes Cícero e Leandro Damião jogarão

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Oswaldo de Oliveira pediu para Gabriel avançar quando tivesse oportunidade
Ricardo Saibun / Santos
Oswaldo de Oliveira pediu para Gabriel avançar quando tivesse oportunidade

O Santos aposta na sua força ofensiva para estrear com vitória no Campeonato Brasileiro, contra o Sport, neste domingo, às 18h30, na Vila Belmiro. Oswaldo de Oliveira não informou a escalação do time, porém antecipou que os experientes Cícero e Leandro Damião, desfalques na vitória por 3 a 0 contra o Mixto-MT, vão jogar. A dúvida é se Gabriel será mantido como titular ou se ficará no banco de reservas. A tendência é que Gabriel volte a ser o quarto atacante, improvisado no meio de campo ao lado de Cícero e Arouca, revezando-se com Thiago Ribeiro na armação do jogo. Para voltar a ser o time das goleadas do início do Paulistão, Oswaldo exige que a marcação comece pelos atacantes, acompanhando o avanço dos laterais adversários, principalmente se ele abrir mão de um volante marcador - Alison ou Alan Santos. "Não gosto de falar em números, mas o Santos joga perto do que definem como 4-2-3-1", afirmou o treinador. Mesmo que Gabriel fique no banco, o esquema será o mesmo e a mudança será que Cícero vai se liberar um pouco da marcação e passará a atuar mais avançado. Por ser um jogador de velocidade e movimentação, Cicinho vai apoiar mais o ataque que o chileno Mena. Oswaldo disse que se o Santos ganhar do Sport por 1 a 0 já vai se dar por satisfeito. E não será para menos porque desde 2006, quando empatou por 0 a 0 com o Goiás, em Goiânia, os santistas não vencem na primeira rodada do Brasileiro. LÉO - Oswaldo de Oliveira deixou claro na última sexta-feira não ter pedido a renovação do contrato de Léo, cujo compromisso com o clube termina no fim do mês. Na numeração fixa dos jogadores para o Campeonato Brasileiro, a camisa 3 ficou para o lateral-esquerdo que migrou para o meio-campo. Em 2014, Léo, que completará 39 anos em julho, jogou apenas alguns minutos contra o Mixto-MT, em Cuiabá. Para o treinador, as únicas camisas diferentes em times brasileiros são a 10 de Pelé no Santos e a 7 de Garrincha no Botafogo. "Não me preocupo com numeração. Léo é um dos jogadores mais laureados pelo Santos e pelo futebol brasileiro. Tenho muito respeito com ele, mas é uma situação que precisa ser examinada. Ele já tem idade suficiente para saber o que escolher", ponderou o treinador. "É difícil para o jogador com todas as vitórias que ele teve se afastar desse mundo encantado de vitórias. Já disse ao Léo e à diretoria que se ele estiver bem, vai comigo até morrer, mas se não estiver, vai parar", avisou.

Leia tudo sobre: gabrielsantosataquebrasileirãomenaleandro damiãooswaldo de oliveiratécnicoléo