“Socialista apenas na teoria”

iG Minas Gerais |

Para o cientista político Moisés Augusto Gonçalves, as mudanças nos posicionamentos de Marcio Lacerda e Eduardo Campos são exemplos de pragmatismo político e desapego aos ideais partidários.

“Assim como outros políticos, Campos e Lacerda foram movidos pelo senso de oportunidade. O cenário se desenhou para eles e, quando isso acontece, não interessa qual a orientação ideológica nem as alianças já feitas. Mas, sim, o projeto de poder”, criticou.

Segundo o especialista, apesar de carregar a palavra socialismo em seu nome, o PSB tem quadros diversos e ligados ao empresariado. “O próprio prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, é um empresário e um dos prefeitos mais ricos do Brasil. O presidente da Federação das Indústrias de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, já foi candidato ao governo paulista pelo PSB. A legenda apenas se diz socialista”, afirmou.

Ao analisar as propostas ideológicas originais dos partidos brasileiros, Moisés Augusto enxerga o PSB com propostas mais parecidas com as do PT do que com as do PSDB. “Ideologicamente, o PSB tem mais pontos em comum com o PT. A legenda nasceu com direcionamento socialista e com atenção às necessidades dos trabalhadores. Mas isso não passa da teoria”, explicou.

Discurso. O eleitor deve perceber a contradição das alianças pragmáticas do PSB na próxima eleição, garante Moisés Augusto. “Campos foi do governo PT e teve ajuda do PT, mas agora ele precisa criticar. É por esse motivo que teremos o maior índice votos nulos e brancos na eleição deste ano. O eleitor já entendeu o jogo.” (GR)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave