PSB busca protagonismo sem PT

As disputas eleitorais desintegraram a relação das legendas em Belo Horizonte e em Brasília

iG Minas Gerais | Guilherme Reis |

Comando. Eduardo Campos comanda o PSB e se tornou um possível concorrente da ex-aliada Dilma
RICARDO BOTELHO
Comando. Eduardo Campos comanda o PSB e se tornou um possível concorrente da ex-aliada Dilma

Em Belo Horizonte e na esfera nacional, o PSB deixou a aliança com o PT para fortalecer um projeto próprio. O afastamento do aliado gerou, consequentemente, o estreitamento com o PSDB. No plano federal, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) se desligou da aliança do PT para se lançar candidato à Presidência. Em Belo Horizonte, o prefeito Marcio Lacerda se desentendeu com o PT e chegaram a se enfrentar no pleito municipal de 2012.

Na capital mineira, a aliança entre as legendas durou 20 anos. Eleito em 1992 para administrar a capital mineira, Patrus Ananias (PT) teve como vice Célio de Castro (PSB). O socialista, além de ocupar o segundo cargo na hierarquia municipal, foi secretário de Desenvolvimento Social.

A ligação entre as legendas continuou na eleição seguinte. Em 1996, Célio de Castro foi eleito prefeito de Belo Horizonte e teve como secretário da Fazenda Fernando Pimentel (PT), que se tornaria seu vice-prefeito na eleição de 2000. Por problemas de saúde, Célio teve que se afastar do cargo em 2001, e Fernando Pimentel assumiu. O petista foi reeleito em 2004.

Na campanha de 2008, o PT não tinha um substituto natural para Pimentel e decidiu fazer uma polêmica aliança com o PSB e o PSDB para lançar Marcio Lacerda. Com a chancela de Pimentel e do então governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), o socialista se elegeu.

No entanto, durante o primeiro mandato de Lacerda, a relação com o PT se deteriorou e o casamento terminou com acusações de ambos os lados. A cisão abriu caminhos para o PSDB aumentar sua influência no governo socialista, e os tucanos foram os principais apoiadores de Lacerda durante a eleição de 2012.

Por ironia, o PT lançou como rival de Lacerda o homem que começou o ciclo de alianças com o PSB, Patrus Ananias, que foi derrotado nas urnas.

Na esfera federal, a aproximação entre as siglas aconteceu em 1989, quando Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se candidatou pela primeira vez à Presidência da República. Na época, Lula foi apoiado pelo governador de Pernambuco, Miguel Arraes (PSB). Eles se tornaram amigos, e o apoio do socialista voltou a acontecer na eleição de 2002, quando o petista se elegeu pela primeira vez para comandar o país.

O arranjo permitiu que o neto de Arraes, Eduardo Campos (PSB), se tornasse o ministro da Ciência e Tecnologia de Lula entre 2004 e 2005. E, para retribuir o apoio de Arraes de anos, Lula, em 2006, ajudou Campos a se eleger e se reeleger, em 2010, governador de Pernambuco.

Desde o ano passado, Campos começou a desembarcar da parceria com Dilma Rousseff (PT). O objetivo do socialista passou a ser o Palácio do Planalto. Além disso, Campos iniciou uma aproximação com Aécio Neves. Os dois já acordaram uma possível troca de apoio em um segundo turno contra Dilma.

Recentemente, Lula afirmou não entender os motivos de Campos “ter passado para direita”. “Adoraria a continuidade da aliança PSB e PT. Sinceramente, eu não vejo um sinal de a candidatura de Eduardo ir para a esquerda. Ela ‘tendencia’ para a direita.”

Tentativa

Apaziguador. Desde que Campos sinalizou que poderia concorrer contra Dilma, Lula tentou fazê-lo desistir da ideia. No entanto, ele disse “que o Brasil não aguenta mais quatro anos de Dilma”.

 

Diretrizes

Refundação.   Após seu renascimento, na década de 1980, o PSB definiu novos direcionamentos partidários. Socialismo. Para o PSB, “socialismo é sinônimo de uma sociedade que aboliu a propriedade privada capitalista dos meios de produção, os quais passam a ser propriedades cooperativas ou coletivas dos criadores das riquezas, os trabalhadores”. Partido. O PSB ressurgiu com a proposta de ser enraizado nos movimentos sindicais e sociais. “O socialista deve ser revolucionário e democrático”.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave