Copa de Neymar e Messi

iG Minas Gerais |

undefined

Bayern, Barcelona, Juventus e Liverpool são as bases das seleções de seus países. A da Alemanha deve ter sete do Bayern (Neuer, Boateng, Lahm, Schweinsteiger, Kross, Müller e Götze). Como ocorre, com frequência, no Bayern, o meia Muller poder ser o centroavante. A Espanha pode ter sete do Barcelona (Piqué, Alba, Busquets, Xavi, Iniesta, Fábregas e Pedro). Se Xavi e Iniesta não estiverem bem, há dois excelentes reservas, David Silva e Thiago Alcântara, que está contundido. Com o centroavante Diego Costa e os laterais Alba e Azpilicueta, a seleção terá melhores jogadores nestas posições do que tinha em 2010. O Bayern, o mais festejado time do mundo, usa muito a troca de passes e a posse de bola, como o Barcelona. Os grandes problemas da equipe catalã são outros: muitos reservas são fracos, a presença de um zagueiro baixinho (Mascherano), a ausência de um centroavante ótimo nas jogadas aéreas, para certos momentos, e a falta da marcação por pressão, característica do Bayern e do Barcelona da época de Guardiola. Adiantar os zagueiros, sem tomar a bola, como tem ocorrido, é suicídio. A seleção italiana poderá ter vários jogadores da Juventus (o goleiro Buffon, os zagueiros Chiellini, Barzagli e Bonucci, os volantes Pirlo e Marchisio e o atacante Giovinco), além do mesmo sistema tático, com três zagueiros. A Juventus é a única grande equipe do mundo que atua dessa forma. O técnico da Inglaterra descobriu que a melhor solução é usar a base do Liverpool, líder do campeonato e, dos grandes, o que possui mais jogadores ingleses. Gerrard, Johnson, Henderson, Sterling e Sturridge devem ser titulares da seleção. Brasil e Argentina são as seleções mais prontas, até nas opções. Felipão pode usar um terceiro no meio-campo (Ramires), saindo Oscar. Outra opção é a troca de posições entre Hulk, Neymar e Oscar. Pela esquerda, Oscar ou Hulk dão mais proteção a Marcelo do que Neymar. Com isso, Neymar pode atuar mais livre e mais próximo ao gol. A alternativa principal da Argentina é trocar um dos dois atacantes que atuam à frente de Messi (Agüero e Higuaín) por um meia ou atacante, como Alavés, que marca e ataca pelos lados. Aumentaram as chances de Neymar e Messi brilharem no Mundial. Os maus momentos dos grandes atletas são o substrato, a chama que ilumina e incendeia suas carreiras. Isso é um fato. Outro é a contusão de Neymar. Os operatórios já criaram um novo chavão, que quem descansa se destaca na Copa, como ocorreu com Ronaldo e Rivaldo em 2002. As experiências são pessoais. O possível benefício de descansar antes da Copa é o de não correr riscos de ter uma grave contusão. Por outro lado, estar em grande forma, antes do Mundial, pode ser positivo. Não existe regra. Tudo é incerto.

Começa o Brasileirão

No fim, acabou bem para o Atlético. O time não vai gastar uma fortuna para contratar Anelka, um jogador decadente, que nunca foi um craque. Começou o Brasileirão. Hoje, tem Atlético e Corinthians, um clássico. Mas o jogo mais importante para o Galo é o da próxima quarta-feira, na Colômbia, pela Libertadores. O Cruzeiro enfrenta o Bahia. Nessa quarta-feira, se o Cerro Porteño tivesse empatado no fim, seria um desastre. Como ocorreu o contrário, muitos torcedores festejaram o empate. A situação ficou perigosa, mas as chances do Cruzeiro ainda são maiores. Fora de casa, basta repetir a postura contra o Universidad de Chile e procurar a vitória.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave