Um lugar para o capitão Réver

Opção de Autuori pode ser atuar com três zagueiros ou escalar jogador como volante

iG Minas Gerais | Frederico Ribeiro |

Quebra-cabeça. Réver (esq.) junto com Jô e Leonardo Silva
Bruno Cantini/ Clube Atlético M
Quebra-cabeça. Réver (esq.) junto com Jô e Leonardo Silva

O técnico do Atlético, Paulo Autuori, terá a famosa “dor de cabeça” que acompanha treinadores de equipes bem qualificadas em determinados setores. No caso do Atlético, a defesa possui três jogadores de alta performance e que são bem quistos pela torcida. Isso porque Réver está de volta. Mas, para ele entrar, será preciso sacar Leonardo Silva ou Otamendi da titularidade?

“Isso é problema do treinador, aquela boa dor de cabeça para o Paulo Autuori. Problema para o Paulo. Ele terá que quebrar a cabeça e fará o melhor para a equipe, tenho certeza”, responde com bom humor Réver, que se recuperou totalmente de cirurgia no tornozelo esquerdo, há quase dois meses.

Autuori ainda não apresentou sua visão do caso. De qualquer forma, os defensores não devem atuar como um trio de zagueiros. É uma chance de Réver voltar a ser volante, função desempenhada nos tempos de Grêmio e na qual tinha liberdade para se arriscar no ataque sem “matar” o torcedor de susto. Para o comandante, manter Otamenti, Léo Silva ou Réver no banco pode ser encarado como um “desperdício”.

Mas Réver deixou claro que, se for para ficar esperando uma nova oportunidade, que assim seja. Não terá cabeça baixa ou insatisfação nos vestiários. “Vai ser uma briga sadia, problema para o Paulo. Ele terá que quebrar a cabeça e fará o melhor para a equipe. Não é porque o Réver não vai jogar que vai ficar insatisfeito. Pelo contrário”, diz o zagueiro.

Para Otamendi, sua preocupação não é saber se vai fazer dupla de zaga com Leonardo Silva ou Réver. Seu único desejo é aproveitar ao máximo seu tempo de jogador do Atlético e sair, ao fim da temporada europeia, para se apresentar ao Valencia, com o nome cravado na história do Galo. Em outras palavras, campeão da Libertadores.

“Sei que meu contrato vai até junho (pode se estender até agosto, caso o Galo seja finalista da Libertadores). É importante focar aqui, deixar uma marca, conquistar algum título. Todo mundo na América Latina gosta da Libertadores e espero conquistá-la. É uma pena ter que sair (em junho)”, disse o argentino.

Bem-vindo

“Estou contente, porque se soma um companheiro a mais. Com muita experiência, bom jogador. Futebol tem isso: competição dia a dia. É fazer o melhor para convencer o treinador que posso continuar titular. A competitividade no treinamento é muito boa.”

Otamendi, zagueiro do Galo

União

“Sempre teve essa disputa, e agora ela acabou ficando mais acirrada. O setor defensivo do Atlético vem muito bem, nossa média de gol diminuiu e ficamos contentes com nosso rendimento. A briga será de igual para igual, sadia, até porque queremos o melhor e o melhor vai acontecer para a equipe toda.”

Réver, zagueiro do Galo

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave