Situação reflete resgate cultural

iG Minas Gerais |

O aumento na procura por parques parece representar uma retomada de tradições antigas. Para Conceição Cruz, da Fundação de Parques Municipais (FPM), o resgate dos piqueniques é enriquecedor. “Temos que incentivar o retorno das pessoas aos espaços públicos, e é legal fazer com que as crianças vejam isso desde cedo”.

Para a pesquisadora Natacha Rena, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a recente onda de ocupação dos espaços públicos, que se estende também ao Carnaval de rua e às manifestações populares, demonstra uma das facetas de uma sociedade contraditória. “Se por um lado há aqueles que se segregam em condomínios fechados e evitam a convivência do lado de fora, felizmente há pessoas que se dispõem a ocupar esse espaço comum, que, na verdade, pertence a todos nós”, avaliou.

Segundo ela, o simples fato de ir a um parque é um ato que traz impactos positivos à sociedade. “O desejo de estar junto leva à construção de uma sociedade mais justa e afetuosa, na qual as diferenças do outro passam a ser mais respeitadas”.

O estudante Arthur Sant’anna é um dos idealizadores do Piquenique do Amor, evento que busca ocupar praças e parques e teve sua quarta edição no último dia 6. O encontro reúne pessoas de todas as idades e, segundo ele, é como uma medicina alternativa. “Para tratar daqueles que estão estressados, cheios da rotina, proporcionamos a convivência entre pessoas de carne e osso, num momento em que nos relacionamos cada vez mais via computador”. (PVP)

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave