A voz Celeste

iG Minas Gerais |

Os desafios do maior de Minas em 2014. O Mineiro está no papo. Na Libertadores, vamos classificar às quartas de final. O Brasileirão começa amanhã para o time celeste, que vai jogar contra o Bahia. Para muitos é o campeonato em que o nosso treinador, Marcelo Oliveira, se sai melhor. A nação celeste ainda tem um pé atrás com ele em mata-matas. Para mim, não tem nada a ver. O maior de Minas montou um time para ser campeão de tudo e manteve a base campeã de 2013. Fazemos um jogador hoje e vendemos amanhã. Mas a administração Gilvan, logo que assumiu, deixou de vender e mostra que quer fazer futebol para ser campeão, mantendo os titulares. Meus amigos de Alto do Rio Doce são leitores assíduos do Super. Abraços ao amigo Roberto, vice-prefeito municipal e diretor do Cruzeiro, ao parceiro Ângelo e a todos dessa cidade 100% cruzeirense.

Avacoelhada

O Coelhão disputa a primeira decisão de uma série de 38 jogos da Série B do Brasileiro. Em confronto de portões fechados ao público, enfrenta o Vasco, às 16h20, no São Januário. Apesar da estreia na competição e dos desfalques de Renato Santos, Willians e talvez André, o time americano tem total capacidade de superar as condições adversas, que foram minimizadas com a ausência da torcida vascaína no estádio. Oportunidade para Pablo demonstrar competitividade no meio de campo. Tchô vai ter a responsabilidade de comandar a organização das jogadas em profundidade, por meio de tabelas, infiltrações dentro da área e finalizações. Elsinho e Gilson devem buscar a linha de fundo. Ricardinho é opção de atacante pelos lados e Obina de centroavante. Diney e Mancini são as alternativas de reposição. Blitz no Itatiaia Rádio Bar, na rua Pium-i, 620.

A voz da Massa

Saudações alvinegras! O nosso grande capitão, Réver, vem voltando. Recuperado de uma cirurgia no tornozelo direito, ele pode ser a novidade do Galo na estreia do Brasileirão, amanhã, contra o “curintia”, em Uberlândia. E muitos torcedores já me perguntam quem eu acho que deve sair para a entrada de Réver: Leonardo Silva? Otamendi? Responderei com outra pergunta. Por que não jogar com os três? Isso mesmo. Autuori poderia pensar num esquema com três zagueiros para não deixar nenhuma dessas três feras de fora. E isso não quer dizer que o nosso time ficaria muito defensivo – pelo contrário, o esquema com três zagueiros pode tornar o Galo ainda mais ofensivo, basicamente porque os nossos laterais e volantes teriam mais liberdade para atacar, já que sempre teria um zagueiro na cobertura. Autuori tem boas opções para armar o Galo. Basta saber escolher.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave