Customização é o mote

Conforto, qualidade dos acabamentos e cores foram destaques no Salão de Milão

iG Minas Gerais | Da redação |

Luminária da Minotti
Minotti/ Divulgação
Luminária da Minotti
Os maiores e mais tradicionais empresas do mobiliário italiano e mundial, a Fendi Casa e a Minotti mostraram a continuidade da utilização de materiais ultra nobres – bem ao gosto italiano – a exemplo do ébano de Macassar. A escandinava Muuto também apostou em materiais de primeira linha, mas mirando em peças despojadas, notadamente voltadas para um público mais jovem, ávido por novidades.   O frescor jovem foi, inclusive, um capítulo à parte na produção de peças. Distantes das sofisticadas tecnologias produtivas que as grandes empresas italianas apresentaram nos pavilhões do Salão do Móvel, os jovens tiraram partido de seu asset mais precioso: a criatividade.    TOG em foco Uma das grandes novidades do Salão do Móvel deste ano foi o lançamento da marca de mobiliário TOG – All Creators Together, que desembarcou na capital mundial do design com cerca de 21 famílias de produtos. A primeira coleção inclui um criativo e reconhecido grupo de designers como Sebastian Bergne, Sam Hech+Kim Colin, Ambroise Maggiar, Jonathan Bui Quang Da, Nicola Rapetti, Dai Sugasawa e ninguém menos que Philippe Starck.   Combinando tecnologia industrial avançada e produção artesanal, o lema da grife é o “não estilo”. Ou seja, a partir de uma peça básica, a empresa e seus designers convidam o consumidor a interagir com o produto através de uma série de interferências e customizações. Algumas delas levadas a cabo por um grupo de artistas, outras – visando o estímulo de uma consciência social, ecológica e sustentável – elaboradas com a participação de tribos brasileiras de Yawanawá e Várzea Queimada.   O principal acionista da TOG é o grupo industrial Grendene. Além do lançamento do novo selo em um showroom pop-up em Milão, a marca pretende, inicialmente, efetuar vendas online através de um aplicativo. A primeira flagship store será aberta em São Paulo, logo após a Copa do Mundo. Philippe Starck, um dos fundadores da grife, revela um novo conceito de design sharing.   “Vamos utilizar a produção em massa para garantir alta qualidade a preços acessíveis, oferecendo alternativas de customização do produto final com a participação direta do consumidor”, contou o designer francês. “As pessoas poderão escolher cores, materiais e alguns formatos, além de aplicações de trabalhos artísticos e de artesanato”. O contato direto com o customizador se dará através do aplicativo. Para Starck, “o design sharing é o futuro do design.”