Torcedores reclamam de falta de opções na esplanada do Mineirão

Para aficionados, o motivo da entrada tardia no Gigante da Pampulha é a ausência de atrativos no 'novo' setor da Arena

iG Minas Gerais | BRUNO TRINDADE |

Depois de cumprir suspensão na estreia, Cruzeiro volta ao Mineirão na quinta e sexta rodadas antes da paralisação para a Copa
Lúcia Sebe/Imprensa MG
Depois de cumprir suspensão na estreia, Cruzeiro volta ao Mineirão na quinta e sexta rodadas antes da paralisação para a Copa

É só acontecer uma partida com um público maior, que se observa longas filas nas catracas que dão acesso à parte interna do Mineirão. O motivo foi detectado pela Minas Arena: mais da metade dos torcedores deixam para entrar no estádio faltando menos de uma hora para a partida começar. A solução para acabar com as filas foi proposta pelo próprio consórcio que gere o Gigante da Pampulha,com pedidos para que o público chegue mais cedo.

Porém, para os frequentadores do estádio, o problema está longe de ter um fim. O motivo? a falta de atrativos do estádio, o que “obriga” os torcedores a permanecerem do lado fora da esplanada para se alimentarem e, aí sim, seguirem para os portões do Mineirão.

Em um informativo divulgado pela Minas Arena nesta quarta-feira, baseado no clássico entre Cruzeiro e Atlético, no último domingo, quando os portões abriram às 13h e o jogo teve início às 16h, 62,55% dos torcedores entraram no estádio entre 15h e 16h. 24,67% transpuseram as catracas entre 14h e 15h. Por causa das filas, outros 7,64% entraram já com o jogo em andamento. E apenas 5,14% adentraram no Mineirão entre 13h e 14h.

E a situação se repetiu nesta quarta-feira. Faltando 10 minutos para a partida começar, houve problemas na entrada dos torcedores pela quantidade de pessoas que tentavam acessar o Gigante da Pampulha.

Os torcedores afirmaram que não existe nenhuma vantagem de entrar no estádio mais cedo pela falta de atrativos que o Gigante da Pampulha oferece. “Antigamente, a alimentação era feita no estacionamento do Mineirão, perto dos portões de entrada, onde a gente consumia churrasco e cerveja. Venho no estádio desde os oito anos e meu pai e meu avô também acompanharam essa época boa. É por isso que ocorrem as filas”, declarou o gerente de lojística Lauro Cesar Moura,27.

O gerente gostaria de não precisar procurar opções fora do estádio. “A Minas Arena tinha que criar mais opções para o torcedor não quer que ficar tanto tempo fora do estádio”, completou.

Mesmo sabendo das dificuldades que vai enfrentar para entrar no Mineirão momentos antes da partida começar, o policial militar Wesley de Souza Soares, 26, afirmou que vale a pena esperar do lado de fora. “O principal motivo é a falta de atrativo do Mineirão. Mesmo sabendo que dá tumulto, empurra-empurra deixando pra entrar em cima da hora, eu prefiro pagar o preço pra ter esse lazer aqui do lado de fora”, revelou.

Já o comerciante Luiz Gustavo Pinheiro de Lana, 26, foi mais longe e afirmou sentir saudades do antigo Mineirão. “A torcida fica fora do estádio por falta de opções e porque não é nada do que era antes. A gente podia beber e comer perto da entrada do Mineirão, o que não acontece mais. Eles podiam criar opções para os torcedores na esplanada”, reclamou.

A Minas Arena informou que está em negociação com algumas empresas para ocupar as outras lojas da esplanada, podendo surgir mais opções de alimentação. O Consórcio ressaltou a diversidade de opções dentro do estádio, como pizza, salgado, tropeiro, chips, água e refrigerante. A Minas Arena disse ainda que os alimentos oferecidos no Mineirão são os que a Vigilância Sanitária permite.

Por causa de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), foi proibida a comercialização de cerveja dentro do Gigante da Pampulha.   

Leia tudo sobre: cruzeiroraposaesplanadanovo mineirãotorcedores