Emicida é atração do programa “Ensaio”

Rapper faz uma apanhado da carreira e ainda canta uma música com a mãe

iG Minas Gerais |

O rapper relembra trajetória no programa de Fernando Faro
AGÊNCIA ESTADO/Arquivo
O rapper relembra trajetória no programa de Fernando Faro

SÃO PAULO. “Pra quem já mordeu cachorro por comida, até que eu cheguei longe” era a inscrição que acompanhava a primeira mixtape de Emicida, de 2009. No próximo domingo, o rapper lança um olhar sobre a trajetória que percorreu até agora e que o fez se tornar um dos nomes mais famosos do gênero, no programa “Ensaio”, que vai ao ar às 2Oh, na Rede Minas, 

Emicida fala das batalhas de MCs que lhe deram prestígio, agradece à pirataria pela visibilidade que lhe deu e chama sua mãe, Jacira, para participar da música “Crisântemo”, sobre a morte de seu pai, que ocorreu quando o músico era criança.

O “Ensaio” evoca momentos marcantes, de quando Emicida foi cantar no festival de Coachella, em 2011, e pôde conhecer, em Nova York, os produtores Beatnik & K-Salam, com os quais gravaria faixas de “Doozicabra” e a “Revolução Silenciosa” (2011). O artista fala sobre sua primeira experiência de estúdio, que resultou no CD “O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui”. Esse trabalho foi eleito o álbum do ano, em 2013, pela revista “Rolling Stone”.

Emicida também lembra de quando entrou pela primeira vez num estúdio, para gravar trilha de uma animação. “Achei que todos tinham cara de playboy. Não falei com ninguém”, diz. “Ficava pensando: mano, esses boys tão querendo roubar meu rap!”.

O rapper exibe a diversidade de seu som com músicas como a quase balada “Sol de Giz de Cera” e “Ubuntu Fristaili”, que incorpora batuque de terreiro

No programa, Emicida estará acompanhado de uma banda formada por Samuel Bueno no baixo, Café na percussão, Doni Jr. na percussão 2 e violão, Mônica Agena na guitarra e mais o DJ Nyack e Dona Jacira, cantando ao lado do filho.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave