Herói em 1997, Elivélton sofre, dá dicas e torce por filho no Cruzeiro

Filho de Elivélton faz testes na Raposa. Ex-jogador esteve no Mineirão para acompanhar de perto o empate contra o Cerro Porteño

iG Minas Gerais | BRUNO TRINDADE |

O meia Elivélton certamente será lembrado para sempre no Cruzeiro. Responsável por um dos gols mais importantes da história celeste, na final da Copa Libertadores de 1997, o meia teve uma passagem tão marcante pela Toca que acabou virando torcedor cruzeirense. Por isso, o ex-jogador vestiu o manto estrelado e foi ao Gigante da Pampulha dar o seu apoio na partida contra o Cerro Porteño, nesta quarta-feira, pela partida de ida das oitavas de final.

O ex-meia disse que fazia muito tempo que não ele ia a um estádio como torcedor. E revelou a dificuldade de ficar apenas assistindo. “Jogar é mais fácil. Aqui fora a gente sofre pra caramba. Lá dentro dá pra fazer alguma coisa. Aqui fora só dá para torcer muito”, afirmou.

Assim que entrou no estádio, Elivélton afirmou que ficou difícil não se emocionar. “Sinto uma emoção muito grande e até hoje recebo o reconhecimento do torcedor. Aqui foi o palco onde entrei para a história do Cruzeiro”, recordou.

Mesmo após 17 anos, Elivélton lembra com riqueza de detalhes daquela grande final de 1997. “Guardo tudo daquele jogo. Todas as lembranças vieram à minha memória aqui no Mineirão. A chegada ao estádio, o aquecimento, o clima. Foi um jogo muito duro. O Sporting Cristal-PER jogou a melhor partida deles. Foi aquele jogo esquisito e a gente passou muito aperto. Mas fomos pra cima e conseguimos o título”, relembrou.

Campeão do torneio Sul-Americano, o ex-meia celeste dá a receita para a Raposa chegar longe novamente. “Tem que ter muita calma e não ser afoito. Os jogadores mais experientes como Júlio Baptista e Willian têm que chamar a responsabilidade e criar jogadas individuais”, disse Elivélton, se referindo mais à partida contra o Cerro Porteño.

Agora, ele sonha para que o filho Gabriel, de 15 anos, trilhe passos semelhantes no clube estrelado. “O meu filho é cruzeirense. Eu o trouxe hoje para ver o jogo e também pra realizar testes no Cruzeiro. Ele já participou de dois e amanhã (quinta-feira) faz o terceiro. Aí, eles vão dar a resposta se ele foi aprovado ou não. Espero que ele possa ter sucesso no teste e que possa também escrever a sua história no Cruzeiro”, declarou o pai 'coruja'.

Leia tudo sobre: eliveltoncruzeirolibertadoresmineirão