Cerro Porteño conta com ataque forte pela direita e dupla experiente

Equipe comandada por Arce atua no tradicional 4-4-2; Corujo, Julio dos Santos, Jonathan Santana e Güiza são os destaques do time

iG Minas Gerais | *GABRIEL PAZINI |

Experiente atacante espanhol, Güiza é um dos destaques do Cerro Porteño
Reprodução/Facebook
Experiente atacante espanhol, Güiza é um dos destaques do Cerro Porteño

O Cruzeiro encara os paraguaios do Cerro Porteño na noite desta quarta-feira, às 22h, no Mineirão, pelo jogo de ida das equipes nas oitavas de final da Copa Libertadores da América. O primeiro adversário da Raposa, que sonha com o tricampeonato continental, não é fácil e pode complicar, mas a equipe estrelada é superior tecnicamente e a favorita no confronto.

Como joga?

O Cerro atua no tradicional 4-4-2 (veja o desenho tático acima) e é treinado por Francisco Arce - sim, aquele que jogou no Grêmio e no Palmeiras. Tecnicamente, a defesa não é das melhores, o que deve ser bem aproveitado pelo bom e veloz sistema ofensivo do Cruzeiro, mesmo com as ausências do atacante Dagoberto e do meia Ricardo Goulart. O meio-campo e ataque, no entanto, são perigosos.

A equipe paraguaia tem um lado direito muito incisivo, no qual se destaca Corujo, meia que atua aberto no setor. O camisa 5 é bom jogador e fez uma excelente partida contra o Deportivo Cali, quando o Cerro venceu por 3 a 2 e garantiu a vaga no mata-mata da Libertadores.

Além de Corujo, Julio dos Santos, Güiza e Jonathan Santana são destaques do time. O primeiro é o camisa 10, principal jogador da equipe e artilheiro da competição continental, com cinco gols. Além disso, o bom meio-campista, de 31 anos, tem boa técnica e muita experiência. Julio dos Santos acumula 31 jogos pela seleção paraguaia, disputou a Copa do Mundo de 2006 e passou por Bayern de Munique, Wolfsburg e, aqui no Brasil, por Grêmio e Atlético-PR. O camisa 10 se destaca pela experiência, boa técnica, visão de jogo e bons chutes de média distância.

Jonathan Santana, por sua vez, é outro meio-campista experiente. O argentino naturalizado paraguaio rodou por clubes de seu país até chegar ao River Plate, onde depois de uma boa temporada foi vendido ao Wolfsburg. No clube alemão, Santana fez boas partidas, variando entre titular e reserva, e conquistou a Bundesliga. Após deixar os Lobos em 2010, ele rodou um pouco e foi contratado pelo Cerro neste ano. O meio-campista é bom jogador, marca forte, tem boa técnica e foi titular do Paraguai na Copa de 2010. Naquela ocasião, a seleção era comandada por Tata Martino, hoje técnico do Barcelona, e foi eliminada apenas nas quartas de final, em um jogo duro, pela Espanha, que depois se sagrou campeã.

Já o atacante espanhol Güiza forma uma boa dupla com Ángel Romero, que ganhou a condição de titular durante a Libertadores. Güiza tem três gols na competição e é muito experiente. O atacante, que foi campeão da Eurocopa em 2008 com a Fúria - marcou dois gols no torneio - e artilheiro do Campeonato Espanhol no mesmo ano, rodou pelo futebol de seu país e também defendeu o Fenerbahçe, quando foi companheiro de Alex.

Esse quarteto é a principal preocupação do Cruzeiro. O Cerro tem um ataque perigoso pelo lado direito, bons chutadores de média e longa distância, uma dupla de ataque que deve ser bem marcada, um time experiente, que sabe lidar com a pressão e irritar o adversário, e esses quatro bons jogadores.

Fase

O Cerro conseguiu a classificação como primeiro colocado do grupo 3 da Libertadores com dificuldades, em um jogo complicado contra o Deportivo Cali, na última rodada, mas fez uma boa campanha e foi líder em uma chave difícil e equilibrada com Lanús e O'Higgins, além da equipe colombiana.

No Campeonato Paraguaio, no entanto, as coisas não andam nada bem. O Cerro está numa sequência de sete jogos sem vitórias pelo torneio, não vence desde fevereiro e é apenas o sexto colocado, 13 pontos atrás do líder Libertad. Considerando todos os campeonatos que está disputando, o time paraguaio tem apenas um triunfo nas últimas seis partidas, justamente a vitória sobre o Deportivo Cali, pela Libertadores. No último mês, o Cerro só venceu dois duelos, ambos pela competição continental.

Apesar de retrospecto não entrar em campo, o Cruzeiro pode se animar com a fase de seu adversário, mas a animação deve ser comedida, afinal, o Cerro não está bem levando em consideração os números no geral, mas considerando apenas os números na Libertadores, a equipe paraguaia vive boa fase.

Comparação com o Cruzeiro

O interessante é que apesar de ter sido o segundo colocado de seu grupo e decidir fora de casa contra os paraguaios, a Raposa tem uma campanha melhor que o seu adversário. Assim como o Cerro Porteño, o time celeste venceu três jogos, empatou um e perdeu dois na fase de grupos. No entanto, a equipe estrelada anotou 13 gols e sofreu sete, enquanto os rivais marcaram apenas 10 e sofreram nove.

*com supervisão de Leandro Cabido

Leia tudo sobre: cerro portenoraio xcruzeiroraposaadversarioLibertadores