Libertadores na sequência do Brasileiro é sonho na Toca

Para seguir com o objetivo, celestes terão que passar, primeiro, pelo Cerro Porteño-PAR

iG Minas Gerais | Guilherme Guimarães / Bruno Trindade |

Objetivo. Elenco tem jogadores experientes como o volante Henrique e o meia Éverton Ribeiro para alcançar feito de títulos importantes
douglas magno
Objetivo. Elenco tem jogadores experientes como o volante Henrique e o meia Éverton Ribeiro para alcançar feito de títulos importantes

“Fuerza, lucha, voluntad para ganar la Copa”, é assim, com esse espírito de muita força, luta e vontade que o Cruzeiro inicia a briga por uma vaga na próxima fase da Libertadores da América. Nesta quarta, a Raposa recebe o Cerro Porteño-PAR, às 22h, no Mineirão, no jogo de ida das oitavas de final da competição continental.

De desacreditado, o time celeste ressurgiu no torneio, classificou-se com muita garra para o mata-mata e chega forte para enfrentar os paraguaios. Principalmente, pelo ânimo adquirido com a recente conquista do Campeonato Mineiro.

Atual campeão brasileiro, o Cruzeiro tentará alcançar a “dobradinha” que apenas cinco clubes brasileiros têm no currículo: vencer o campeonato nacional em um ano e faturar a Libertadores no seguinte. Só Santos, Flamengo, São Paulo, Vasco e Corinthians atingiram tal feito.

“Sempre é bom ter desafios, e, hoje, temos essa condição de lutar para vencer o Brasileiro e a Libertadores na sequência, coisa que poucos clubes nacionais conseguiram. Pelo grupo que a gente tem e pelo comandante que a gente tem, podemos sonhar”, destacou o atacante Willian.

Conhecido como time copeiro por conquistar ao longo de sua história várias taças em solo sul-americano, a expectativa em torno dos celestes é grande. E os jogadores sabem o tamanho da responsabilidade que carregam.

“Voltamos a jogar como antigamente. No começo oscilamos, mas estamos sabendo bem jogar a Libertadores, que é uma competição dura, difícil. Por mais que tenha ficado fora das últimas edições, todos lá fora conhecem o Cruzeiro por sua grandeza”, afirma o volante Henrique.

Desfalques. Para o duelo com o Cerro Porteño-PAR, Marcelo Oliveira terá dois importantes desfalques: Ricardo Goulart e Dagoberto. O meia-atacante reclamou de dores na coxa direita. Já o atacante sofreu uma lesão na coxa direita. Ambos são ausências certas.

Mesmo com os desfalques, Willian, que deve ser acionado na vaga de Dagol, acredita que o atual grupo pode manter essa escrita do Cruzeiro como time copeiro. “A gente tem que dar sequência a essa história. Nesta quarta é uma nova competição, novo grupo, elenco completamente diferente, mas vamos tentar manter essa tradição”, prometeu.

Cerro Porteño quer surpreender no Mineirão Após estudar o Cruzeiro, o Cerro Porteño sabe da qualidade e da força que o time tem quando atua no Mineirão diante de sua torcida. Porém, mesmo com as dificuldades e com o fato de ainda não ter vencido fora de casa na Libertadores, os paraguaios acreditam no triunfo. O ex-jogador Arce, que atuou por Grêmio e Palmeiras e que hoje comanda o Cerro, afirmou que a sua equipe não vai mudar a forma de jogar. “Nós temos a nossa maneira de jogar, que é marcando em cima. Foi assim na maioria dos jogos da Libertadores e desde que estou no comando do time”, declarou. Artilheiro da competição com cinco gols, o meia Júlio dos Santos quer a vitória. “Um bom resultado pra gente será levar os três pontos. A vitória vai ser fundamental”, disse.

Henrique chegará a marca de 200 jogos com a camisa azul Atual titular do meio-campo celeste, o volante Henrique completará hoje, diante do Cerro Porteño-PAR, 200 jogos com a camisa do Cruzeiro. A partida será no Mineirão. A marca expressiva a ser atingida pelo meio-campista conta com uma coincidência. A partida de número 200 de Henrique pela Raposa será eternizada em um confronto válido pela Copa Libertadores da América, assim como aconteceu quando o jogador fez o seu centésimo compromisso oficial pelo Cruzeiro, antes de ser negociado com o Santos. O jogo cem do volante aconteceu na Libertadores de 2010, no primeiro jogo da fase de grupos da competição daquele ano. A partida foi contra o Vélez Sarsfield (ARG), no estádio José Amalfitani, em Bueno Aires. Naquela ocasião os celestes perderam por 2 a 0.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave