Diferenciado, Samudio dá exemplo e sonha com Libertadores

Em entrevista exclusiva ao Super FC, lateral-esquerdo do Cruzeiro mostrou muita consciência, foco e falou de seus sonhos

iG Minas Gerais | GABRIEL PAZINI* |

Lateral-esquerdo quer ficar muito tempo no Cruzeiro, ganhar a Libertadores e ser titular do Paraguai
Divulgação/Cruzeiro
Lateral-esquerdo quer ficar muito tempo no Cruzeiro, ganhar a Libertadores e ser titular do Paraguai

Quando um jornalista termina uma entrevista exclusiva, é de praxe e boa educação agradecer pela gentileza e disponibilidade em atender a reportagem. O entrevistado, normalmente, retribui a educação e cada um vai para o seu canto. Mas, como tudo na vida, para toda regra existe uma exceção.

O lateral-esquerdo paraguaio do Cruzeiro, Miguel Samudio, já mostrou uma mentalidade diferente e exemplar quando foi expulso contra a Universidad de Chile, fora de casa, pela Libertadores. Ao receber o cartão vermelho, ele cumprimentou o árbitro, pediu desculpas e saiu de campo. Samudio teve uma atuação muito boa naquela partida, marcando gol, mostrando o espírito de Libertadores para os companheiros e muita raça, mas a educação do paraguaio foi tão ou mais marcante que tudo isso.

E não foi diferente quando ele atendeu o Super FC. Após o fim da conversa, a reportagem agradeceu o lateral-esquerdo pela gentileza e disponibilidade. Samudio, prontamente, respondeu: "Não precisa agradecer, eu que tenho que agradecer a você pela entrevista e tempo em conversar comigo. Desde que cheguei aqui tenho dito isso: 'nós, jogadores, temos que ser exemplo dentro e fora de campo'. Estou sempre disponível para quando quiser conversar comigo. O jogador tem que ser educado com os companheiros, o treinador, os dirigentes, os fãs, a imprensa e o árbitro. Temos que estar bem com todo mundo e ser exemplo. Nós influenciamos muitas crianças e temos que ter essa consciência".

Libertadores

Além da atitude exemplar, Samudio falou sobre Libertadores com o Super FC. O lateral-esquerdo contou sobre a conversa com os companheiros no intervalo da partida contra a Universidad de Chile, quando as câmeras mostraram o paraguaio gritando no melhor portuñol com os colegas.

"Tenho muitos jogos de Libertadores e aprendi muita coisa. Sei como falar, ajudar a equipe. O jogo no Chile era muito importante e não podíamos cometer os mesmos erros que cometemos contra o Defensor, quando estávamos ganhando por 2 a 0 e deixamos empatar. Precisávamos ter muita atenção para não repetir os erros. Falei que a gente precisava entrar com muita atenção, porque o jogo de vida ou morte, intenso e que não estávamos ganhando. Falei que o jogo estava 0 a 0 e que a gente não podia perder a vitória de jeito nenhum", lembra.

Se contra La U, Samudio foi titular, contra o Real Garcilaso, no jogo decisivo, o paraguaio, suspenso, não entrou em campo, mas ao contrário do que a maioria dos jogadores diz, o paraguaio afirma que não sofreu muito.

"Fui mais um torcedor no Mineirão, mas não sofri muito. Tinha plena confiança que a equipe ia jogar como se fosse final e foi assim que aconteceu. Estou muito feliz com a classificação. O Cruzeiro está bem e sabe o que tem que fazer e o que não pode fazer na Libertadores. Não vamos mais depender de outros resultados", diz.

Cerro Porteño

O adversário da Raposa nas oitavas de final da competição continental é um velho conhecido de Samudio. O lateral-esquerdo enfrentou o Cerro várias vezes em clássicos, quando defendia o Libertad.

E como não podia ser diferente, o paraguaio vê o Cerro como um adversário muito difícil, mas analisou e deu a receita para o Cruzeiro não só vencer o rival, mas também para vencer a Libertadores.

"Vai ser um jogo muito complicado. O Cerro Porteño joga de uma forma diferente dos outros times do Paraguai, no 4-4-2, e tem excelentes jogadores, mas nós estamos jogando num nível muito bom, sendo fortes no ataque e marcando bem", analisa.

"No mata-mata temos que sempre atacar de frente, é muito importante dar o máximo e ganhar em casa e, como visitante, ter muita pretensão e coragem. Nós temos que fazer a diferença de gols em casa, já que vamos fazer o primeiro jogo no Mineirão. É mais difícil decidir fora de casa do que em casa, mas temos confiança", conclui.

Favoritismo

Com a classificação do Cruzeiro para a fase final da Libertadores, a torcida e parte da mídia passou a considerar o time que se fortaleceu e é um dos favoritos ao título da competição continental, mas para Samudio, isso é apenas uma lenda do futebol.

"Não somos favoritos, o favorito é aquele que ganhar a Libertadores. Não existe favoritismo no futebol, principalmente na Libertadores. Temos bons jogadores e um bom time, mas não existe favoritismo no futebol. Nós temos que encarar cada jogo como uma final".

Sonho

Samudio também falou sobre seus sonhos, e todos eles estão ligados ao Cruzeiro. "Quero ser campeão da Libertadores. Tenho contato de um ano e quero continuar aqui [no Cruzeiro] por muito mais tempo. Quero seguir no Cruzeiro e ser titular da seleção paraguaia, e para isso, tenho que jogar e ter continuidade no clube para ter mais chances e ser titular da seleção".

*com supervisão de Leandro Cabido