Iconografia e contos em tela

Aliança Francesa sedia mostra “Horda”, que traz quadros dos artistas belo-horizontinos Gustavo Maia e João Maciel

iG Minas Gerais | Vinícius Lacerda |

João Maciel apresenta quadros com elementos folclóricos
João Maciel / divulgação
João Maciel apresenta quadros com elementos folclóricos

Depois de sediar a exposição “50 Gramas de Copo”, de Manuel Carvalho e Warley Desali, a Aliança Francesa abre para visitação gratuita, nesta terça, a mostra “Horda”, que reúne quadros dos também mineiros Gustavo Maia e João Maciel.

O nome da exposição, conta Maia, faz referência à desordem e reflete a diversidade do conjunto de telas expostas. “Fiz uso do nome para mostrar que, apesar de manterem um diálogo entre si, as obras são abrangentes”, comenta ele.

Maia graduou-se pela Escola Guignard, em 2008. Mas antes formou-se como publicitário e atuou como designer gráfico para depois entrar no mundo das artes plásticas. Desde então, participou do Programa Independente da Escola São Paulo (Piesp), em 2010, e expôs “Sangraouro”, no ano passado, no Museu Inimá de Paula. Além de ter participado de diversas mostras coletivas.

Em todo esse trajeto, sempre foi guiado pela união entre a ilustração e o desejo de contar algo. “Sempre utilizei ícones como um meio em potencial para surgir uma história”, diz Maia.

Essa característica continua presente nas seis grandes obras – os quadros medem, em média, 1,5 x 2,10 metros – expostas na Aliança Francesa. Porém, apresenta uma nova característica que leva seus trabalhos por um caminho novo. “Continuo trabalhando em séries de obras com caráter narrativo, mas partindo da abstração”, comenta o artista, que utilizou, essencialmente, acrílico sobre tela para montar as obras.

Na mesma sala, estarão os quadros de João Maciel. Assim como seu colega de exposição, ele também cursou a Escola de Guignard e tem um atuação plural que passa pelo desenho, pintura, escultura e instalações. Desde que se formou, em 2004, já teve obras expostas na França, Argentina, Uruguai e nos Estados Unidos. Além disso, tem obras no acervo do Museu Histórico Abílio Barreto e Coleção Gilberto Chateaubriand.

Em “Horda”, ele mostra oito peças recentemente produzidas, que apresentam elementos da cultura popular misturadas em suas telas. “Construo cenas híbridas com referências em símbolos do folclore e da história, em geral”, destaca Maciel.

Nas peças, ele utilizou de colagens, canetinha e tintas para dar vida aos diversos personagens. “Acho que a melhor expressão para definir o meu trabalho talvez seja: universo fantástico”, reflete o artista.

Diálogo. As obras de Maia e Maciel, apesar de terem sido concebidas por técnicas diferentes, mantêm uma relação que tornou plausível a união dos dois trabalhos em uma única exposição.

A iniciativa dessa parceria partiu de Gustavo Maia. “Quando me convidaram para expor, me deixaram à vontade para chamar outro artista. Daí, chamei o João porque vi que o trabalho dele tinha uma relação com o meu. Ambos trabalham com narrativas”, explica.

Outra característica que perpassa pela obras é a presença do conjunto de ilustrações. “O vocabulário icônico entre nossos trabalhos é muito parecido”, analisa Maia.

Apesar das ligações, os trabalhos apresentam traços que os distanciam. “A origem de nossas obras é muito diferente, ele tem um trabalho muito ligado às questões de rua e eu nunca fiz trabalho de arte urbana”, exemplifica Maia.

A discrepância, porém, funciona para Maciel como um forma de tornar a experiência múltipla. “Acho que esse encontro será interessante e acredito que irá proporcionar sensações diferentes nos visitantes”, diz Maciel.

Agenda

O quê. Exposição “Horda”

Quando. Desta terça até o dia 9 de maio. De segunda a quinta-feira das 8h às 21h, e sextas e sábados, das 8h às 16h30

Onde. Aliança Francesa (rua Tomé de Souza, 1.418, Savassi)

Quanto. Entrada franca

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave