Pimenta da Veiga chora ao falar de perseguição do governo federal

Sem citar diretamente o inquérito, o ex-ministro disse esperar que a presidente Dilma Rousseff (PT) não utilize a máquina federal para "perseguir adversários" ou "privilegiar amigos"

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

POLITICA : NOVA LIMA - MG - SALAO DE EVENTOS VIVER BRASIL  . PRJETO CONEXAO MOVIMENTO TODOS POR MINAS MELHOR . Almoco Empresarial com Pimenta da Veiga pre  candidato a Gorvenador de Minas.
Foto Joao Godinho / O Tempo 14.04.2014
Joao Godinho / O Tempo 14.04.2014
POLITICA : NOVA LIMA - MG - SALAO DE EVENTOS VIVER BRASIL . PRJETO CONEXAO MOVIMENTO TODOS POR MINAS MELHOR . Almoco Empresarial com Pimenta da Veiga pre candidato a Gorvenador de Minas. Foto Joao Godinho / O Tempo 14.04.2014

Em palestra para empresários nesta segunda-feira (14) em Nova Lima, o pré-candidato do PSDB ao governo mineiro, ex-ministro Pimenta da Veiga, não conteve as lágrimas ao falar de seu indiciamento pela Polícia Federal (PF) por lavagem de dinheiro. Sem citar diretamente o inquérito, o ex-ministro disse esperar que a presidente Dilma Rousseff (PT) não utilize a máquina federal para "perseguir adversários" ou "privilegiar amigos". Neste momento, o tucano fez uma longa pausa no discurso e chorou.

O tucano voltou a classificar a iniciativa da PF como uma "ação política-eleitoral" orquestrada pela oposição. Porém, o ex-ministro não quis citar nomes ou antecipar os prováveis responsáveis pela retomada da investigação sobre os depósitos, totalizando R$ 300 mil, feitos pela SMPB, em 2003, em sua conta, denominados como "pagamento de obrigação". "Ainda estou avaliando os responsáveis. Mas essas práticas repugnantes não podem continuar no Brasil, no governo do PT", disse.

O ministro confirmou que declarou os recursos, como pessoa física, na prestação de contas de 2005 e, não na de 2004, o ano seguinte. Em 2005, Pimenta da Veiga apresentou uma declaração retificadora, constando os repasses da SMPB, logo depois da instalação da CPMI dos Correios, quando foi encontrado um contrato de empréstimo de R$ 152 mil contraído pelo ex-ministro no Banco BMG de Belo Horizonte no qual figuravam como avalistas Marcos Valério e sua ex-esposa Renilda Santiago.

Pimenta afirmou que optou por declarar o montante como pessoa física, apesar de ter prestado serviços como advogado, pois o CNPJ de seu escritório de advocacia não havia ficado pronto à época. Além disso, o tucano também disse que cumpriu a lei ao declarar o recurso recebido em 2003 no ano de 2005. "A lei permite isso. A declaração foi feita dentro dos prazos da Receita. Os impostos foram pagos", afirmou. Com a divulgação do indiciamento feito pela PF, no PSDB voltou a crescer o nome do presidente estadual do partido, Marcus Pestana, como alternativa à candidatura de Pimenta da Veiga. "É lamentável que neste momento, de discussão de propostas, atitudes desse tipo apareçam", disse o pré-candidato.  

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave