Kalil dispara ofensas contra árbitro após fim do clássico

Mandatário alvinegro não poupou Leandro Vuaden por suposto pênalti em Jô, nos minutos finais do jogo que sagrou o Cruzeiro como campeão mineiro

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Atlético se sentiu prejudicado e protocolou queixa contra a arbitragem
FERNANDA CARVALHO/O TEMPO
Atlético se sentiu prejudicado e protocolou queixa contra a arbitragem

Tão logo o árbitro Leandro Pedro Vuaden (Fifa/RS) apitou o final do jogo no Mineirão, não foram só os jogadores do Cruzeiro que invadiram o gramado para celebrar o título mineiro. O presidente atleticano, Alexandre Kalil, também entrou no campo, mas, obviamente, não para comemorar, mas para esbravejar contra a arbitragem.

Possesso por conta de um lance polêmico no final da partida, em que o atacante Jô caiu na área celeste, mas foi pego em posição de impedimento, segundo o assistente Fábio Pereira (Fifa/TO), Kalil perdeu a linha e disparou ofensas contra Vuaden.

"Ladrão! Filho da p...! Gângster!!!”, berrou Kalil. “Um escárnio, um escândalo, foi vergonhoso. Por isso que a Libertadores nós ganhamos, porque esta gangue não entrou em campo”, desabafou o cartola alvinegro.

No fatídico lance, Jô foi lançado por Neto Berola e caiu na entrada da área. Leandro Vuaden chegou a marcar a penalidade, mas reconsiderou ao ver que o assistente apontara impedimento do camisa 7 do Galo, para a loucura de Kalil.

A indignação do presidente do Atlético foi refletida no site oficial do clube, que noticiou a perda do título mineiro para o rival Cruzeiro enfocando que foi prejudicado pela arbitragem. Sem, no entanto, citar que o resultado definiu o campeão estadual.

Leia tudo sobre: atleticogalokalilarbitroleandro vuadenclassicomineirocruzeiro