Cruzeiro aproveita vantagem e é campeão do 100º Campeonato Mineiro

Em novo empate sem gols com o Atlético, Raposa fica com o 37º título estadual diante de um Mineirão lotado

iG Minas Gerais | VICTOR MARTINS |

ESPORTES - 13.04.2014 - POSTER CRUZEIRO
Final do Campeonato Mineiro 
NA FOTO , EM PE : Fabio , Henrique , Bruno Rodrigo , Lucas Silva , Leo , Nilton , Dede , Souza , Elisson , Julio Baptista , Borges , Dagoberto .
NA FOTO , AGACHADOS : Ceara , Luan , Egidio , Mayke , Ricardo Goulart , Tinga , Everton Ribeiro , Elber , Samudio , Marcelo Moreno , Willian , Juvenilson de Souza (preparador fisico)

FOTO: LEO FONTES / O TEMPO
LEO FONTES / O TEMPO
ESPORTES - 13.04.2014 - POSTER CRUZEIRO Final do Campeonato Mineiro NA FOTO , EM PE : Fabio , Henrique , Bruno Rodrigo , Lucas Silva , Leo , Nilton , Dede , Souza , Elisson , Julio Baptista , Borges , Dagoberto . NA FOTO , AGACHADOS : Ceara , Luan , Egidio , Mayke , Ricardo Goulart , Tinga , Everton Ribeiro , Elber , Samudio , Marcelo Moreno , Willian , Juvenilson de Souza (preparador fisico) FOTO: LEO FONTES / O TEMPO

Dono da melhor campanha na primeira fase e podendo empatar o clássico, o Cruzeiro fez valer o regulamento e conquistou o seu 37º título Mineiro, o décimo numa final com o Atlético, disputada no Mineirão. Com mais um 0 x 0, o terceiro na edição 2014 no encontro entre as duas maiores forças de Minas, o time celeste evitou o tricampeonato do rival e volta a ter hegemonia do estado, depois de duas temporadas. Jogar pelo empate foi apenas formalidade, já que o Cruzeiro foi superior ao rival durante os 90 minutos de jogo. O gol celeste não saiu por detalhes e por mais uma boa tarde Victor. Enfim, agora é comemorar, mas não muito, já que na quarta-feira o Cruzeiro tem o Cerro Porteño pela Libertadores. Ao Galo, é melhorar o nível de atuação da equipe focar também no torneio continental, já que tem o Atlético Nacional no caminho. Cruzeiro superior, mas sem gols Apesar de jogar pelo empate, o Cruzeiro começou o clássico no ataque e logo no primeiro minuto o volante Lucas Silva acertou um belo chute da intermediária e a bola bateu no travessão. Mas por jogar com o regulamento, o time de Marcelo Oliveira foi inteligente e não se expôs. Obrigava o Atlético a sair para o jogo. Com a marcação muito bem encaixada, o Cruzeiro só teve a meta ameaçada uma única vez. Aos 12 minutos o lateral Alex Silva fez boa jogada e tabelou com Ronaldinho, para sair na cara de Fábio. O camisa 6 rolou a bola para Tardelli, mas Samúdio foi preciso e evitou o gol atleticano. Passado o susto, o Cruzeiro foi só ampliando o domínio no meio de campo, obrigando o Atlético a tentar os lançamentos, que estava longe da precisão. A boa marcação cruzeirense também complicava a vida dos atleticanos pelo chão, já que o time de Paulo Autuori mal conseguia trocar passes. Assim, sendo depois de um lançamento errado ou um passe interceptado, o Cruzeiro partida em rápido contra-ataque. Mas faltou capricho para o time celeste aumentar a vantagem na decisão. Primeiro com Everton Ribeiro, aos 27 minutos, O meia aproveitou uma bola rebatida, saiu sozinho com Victor e tentou encobrir o goleiro atleticano. Isso ele até conseguiu, mas errou o alvo. Um minuto depois foi a vez de Júlio Baptista ter a bola dentro da área, mas finalizar na direção do camisa 1 do Galo, que fez boa defesa. O Cruzeiro cresceu também no ataque a partir de então. Mas faltou caprichar no último passe ou na finalização. O Atlético, por sua vez, tentar segurar o ímpeto do rival, mas sem velocidade no ataque e com os laterais sem inspiração, não conseguia chegar com a bola dominada na intermediária adversária. Num dos chutões atleticanos, Jô ainda dividiu uma bola com o goleiro Fábio, que levou a melhor.

Antes de acabar o primeiro tempo, o Cruzeiro ainda teve duas boas chances. Com Júlio Baptista, de bicicleta, e com Dagoberto. Em ambas as oportunidades o goleiro Victor se fez presente e manteve o Atlético vivo para o segundo tempo.

SEGUNDO TEMPO A etapa final começou como terminou a primeira: com o Cruzeiro em cima do Atlético. Everton Ribeiro e Ceará, antes dos quatro minutos, já tinha chutado com perigo. Para mudar o panorama do jogo, o técnico Autuori sacou Guilherme e colocou Fernandinho, para o Galo ter a velocidade que faltou no primeiro tempo. Mas quem seguia soberano na partida era o Cruzeiro. Goulart, aos 12 minutos, teve a bola na entrada da área, mas errou o chute e bola foi para fora. Só então o Atlético tentou ameaçar, sempre com bolas longas. Primeiro Fernandinho para Tardelli, que foi desarmado por Fábio. Depois Michel para Jô, que só não marcou por conta da boa impulsão de Dedé. Empatando, mas na verdade perdendo, Autuori resolveu arriscar. Tirou Michel e colocou Neto Berola. Marcelo Oliveira, por sua vez, fechou o time. Saiu Dagoberto e entrou Souza. Depois o treinador cruzeirense escutou as vozes das arquibancadas e colocou Willian no lugar de Ricardo Goulart.

O jogo se arrastou sem grandes emoções nos últimos 15 minutos. O Galo não tinha força para atacar, enquanto o Cruzeiro queria apenas prender a bola no ataque. Aos 42 minutos, o lance polêmico da final. Jô foi derrubado por Dedé e Vuaden marcou o pênalti, no entanto, o auxiliar marcou impedimento e prevaleceu a marcação. Assim, sem gols nos clássicos, acabou o Mineiro 2014, com o Cruzeiro campeão por ter melhor campanha.

CRUZEIRO 0 x 0 ATLÉTICO

Motivo: Final do Campeonato Mineiro Local: Mineirão Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (FIFA-RS)

Cruzeiro: Fábio; Ceará, Dedé, Bruno Rodrigo e Samúdio; Henrique, Lucas Silva, Everton Ribeiro (Tinga, aos 43 do 2º) e Ricardo Goulart (Willian, aos 36 do 2º); Dagoberto (Dagoberto, aos 28 do 2º) e Júlio Baptista

Atlético: Victor; Michel (Neto Berola, aos 26 do 2º), Leonardo Silva, Otamendi e Alex Silva; Pierre (Claudinei, aos 26do 2º), Leandro Donizete, Guilherme (Fernandinho, no intervalo) e Ronaldinho; Diego Tardelli e Jô

Cartões amarelos: Samúdio e Éverton Ribeiro (C) Leandro Donizete, Michel, Pierre e Neto Berola (A)

Leia tudo sobre: cruzeiroraposamineiroestadualcampeãofutebolatleticomineirao