Incêndio deixa pelo menos 11 mortos no Chile

A presidente do país, Michelle Bachelet, decretou zona de catástrofe na cidade atingida

iG Minas Gerais | DA REDAÇÃO |

Um incêndio florestal na cidade portuária de Valparaíso, no Chile, deixou pelo meos 11 mortos, informaram autoridades locais.    Segundo informações oficiais, cerca de 5 mil pessoas foram retiradas do local, incluindo mais de 200 detentas de um presídio.   Devido a topografia da cidade, que é cercada por morros íngremes, bombeiros encontram dificuldade para controlar o incêndio.   A presidente do país, Michelle Bachelet, decretou zona de catástrofe na cidade de 250 mil habitantes. Isso significa que as forças armadas estão encarregadas de manter a ordem e retirar milhares de residentes atingidos pela fumaça e pelo fogo.    "Este é o pior desastre que já testemunhei", disse o governador regional Ricardo Bravo. "Agora é possível que o fogo se espalhe para o centro da cidade, o que aumentaria a gravidade da situação".    Segundo o prefeito de Valparaíso, Jorge Castro, "pelo menos 500 casas foram destruídas pelo fogo" e foram montados abrigos temporários para aqueles que tiveram de deixar o local. Castro disse também que a cidade estava passando por interrupções no fornecimento de eletricidade. Enquanto bombeiros e policiais combatiam o fogo, fuzileiros navais patrulhavam as ruas para manter a ordem e evitar saques.   O incêndio começou no sábado à tarde em morros nos arredores da cidade e se espalhou rapidamente devido aos fortes ventos. Cinzas caíram na cidade no domingo de manhã, causando problemas respiratórios entre a população.   Havia nuvens densas de fumaça sobre o presídio da cidade e nove detentas que estavam grávidas foram transferidas para um centro de detenção na cidade vizinha de Quillota. Outras 204 detentas foram levadas para um ginásio esportivo. Os mais de 2.700 detentos do sexo masculino permanecerão no local por enquanto, segundo o comandante dos guardas, Tulio Arce.

Leia tudo sobre: IncêndioChiemortos