Pacquiao recupera cinturão e espera por Mayweather

Em Las Vegas, boxeador filipino faturou o título mundial dos meio-médios-ligeiros após 12 rounds altamente estratégicos

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Um rei jamais perde a majestade. Em uma luta que mais pareceu um jogo de xadrez tal o nível de estudo e estratégias utilizados pelos boxeadores, Manny Pacquiao recuperou o título mundial dos meio-médios-ligeiros, na madrugada deste domingo, no ringue do MGM Hotel, em Las Vegas, ao vencer o norte-americano Timothy Bradley, por pontos, após 12 rounds. Os três jurados foram unânimes em apontar o filipino como vencedor: 116 a 112 (para dois) e 118 a 110. Com isso, Pacman devolve ao norte-americano a derrota sofrida em 2012.

Com a 56ª vitória de Pacquiao, o empresário Bob Arum tem como primeira possibilidade para setembro o sonhado duelo contra o americano Floyd Mayweather. "Ele (Mayweather) luta dia 3 de maio. Depois disso, se ele entrar em contato conosco, poderemos sentar à mesa, como pessoas normais, e decidir o contrato. Está bom assim para vocês (jornalistas)?", questionou Arum, bastante nervoso.

Além da pressão da imprensa e dos fãs, existe também a cobrança dos canais Showtime e HBO, que aceitam se unir para organizar o tão esperado combate. O plano B para ser adversário de Pacquiao no segundo semestre é o vencedor entre Juan Manuel Marquez e Mike Alvardo, que se enfrentam dia 17 de maio, em Los Angeles.

Apesar da vitória incontestável, Pacquiao demonstrou não ter 'pegada' para derrubar Bradley. "Tentei durante os 12 rounds, mas não consegui", disse o pugilista campeão em oito categorias. "Estou feliz com meu desempenho porque tive ímpeto para buscar um ritmo forte durante todo o tempo."

Bradley rasgou elogios ao rival. "Manny é um verdadeiro guerreiro e seu nome está garantido no Hall da Fama. Hoje [noite de sábado, em Las Vegas] ele foi melhor do que eu e mereceu a vitória. Não há desculpas", disse o norte-americano, que fez questão de cumprimentar o adversário e seu técnico, Freddie Roach, após a luta. "Mas podem ter certeza de que voltarei a ser campeão mundial", afirmou o pugilista, que perdeu pela primeira vez após 32 lutas.

Pacquiao só surgiu na sala de imprensa por volta das 0h30 de domingo (4h30 de Brasília), pois precisou levar 32 pontos no supercílio esquerdo por causa da cabeçada sofrida nos 30 segundos finais da luta. Segundo o médico que cuidou do pugilista, ele terá de ficar de quatro a seis semanas longe das sessões de sparring para que haja uma cicatrização perfeita do local.

A LUTA - Pacquiao lutou no MGM Hotel como se estivesse em Manila nas Filipinas. Bradley, apesar de americano, foi vaiado o tempo todo. Pacquiao dominou os três primeiros rounds, quando atacou bastante, mas também teve de se preocupar com os contra-ataques de Bradley.

A partir do quarto round até o sexto, o domínio foi do americano. Pacquiao parecia cansado e quando tinha chance de golpear, com o rival nas cordas, não tinha a iniciativa. Aos gritos de "Manny, Manny", os mais de 15 mil espectadores levaram o filipino a uma recuperação muito grande na luta. Por várias vezes, Pacquiao acertou firme Bradley, que passou a apostar em um golpe para vencer a luta. Mas ele não veio.

Leia tudo sobre: boxemeio-médios-ligeirosPacquiao