Cobertura do Morumbi ainda gera polêmica no São Paulo

Projeto será votado no próximo dia 16 de abril, quando também haverá eleição para a presidência do clube

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Orçado em R$ 460 milhões, o projeto foi elaborado para captar investidores por meio de um fundo que arcará com as despesas da reform
SÃO PAULO/REPRODUÇÃO
Orçado em R$ 460 milhões, o projeto foi elaborado para captar investidores por meio de um fundo que arcará com as despesas da reform

O próximo dia 16 promete ser bastante quente no São Paulo. Além de empossar os novos conselheiros e escolher o próximo presidente, o clube verá mais um capítulo da batalha para votar a cobertura do estádio do Morumbi. O presidente Juvenal Juvêncio acatou a sugestão de Carlos Miguel Aidar - candidato da situação e seu provável sucessor - e colocou na pauta de votação o projeto que tem sido foco dos maiores embates.

Após período de trégua, o assunto voltou à pauta com a manobra de Aidar para incluir a votação na sequência do pleito que definirá o presidente. Isso acontece porque, por estatuto, é necessário quórum de 75% para a votação e a oposição já conseguiu barrar a movimentação antes. Como disputa a presidência através de Kalil Rocha Abdalla, o grupo contrário a Juvenal se vê obrigado a comparecer e apreciar a matéria.

Agora os oposicionistas se veem numa arapuca. Se forem ao Conselho, verão a cobertura aprovada e precisarão assimilar a derrota. Caso nem apareçam para escolher o próximo presidente, verão ruir em poucos dias o capital político construído ao lado da torcida. Resta, portanto, tentar um acordo para postergar a votação.

De mãos atadas, a solução é tentar um arranjo com o Conselho Deliberativo. A oposição conversou com José Carlos Ferreira Alves, atual presidente, e Carlos Augusto de Barros e Silva, que será eleito o novo presidente do Conselho também no dia 16. Ferreira Alves, segundo quem esteve na reunião, deu de ombros para o pedido de tirar a votação da pauta. Leco concordou, mas disse que seria difícil comprar a briga sozinho.

Leia tudo sobre: sao paulopresidentemorumbipoliticafutebol