Reviravoltas em “Mad Men”

Sétima e última temporada da prestigiada série da HBO começa neste domingo nos Estados Unidos e nesta segunda no Brasil

iG Minas Gerais |

Trajetórias. Em “Mad Men”, personagens Don Draper e Peggy Olson seguem trajetórias distintas
hbo / divulgação
Trajetórias. Em “Mad Men”, personagens Don Draper e Peggy Olson seguem trajetórias distintas

São Paulo. Quem é o verdadeiro protagonista de “Mad Men”: Don Draper (Jon Hamm) ou Peggy Olson (Elisabeth Moss)? À medida que a série sobre uma agência de publicidade nova-iorquina dos anos 1960 se aproxima do fim, a resposta torna-se mais clara. A última temporada estreia neste domingo nos EUA e nesta segunda no Brasil. Trata cada vez mais do declínio de Don – o outrora poderoso e brilhante publicitário – e da ascensão de Peggy, no início secretária chocha, agora uma mente criativa em vias de liderar a agência.

Uma das mais premiadas séries da “nova era de ouro” da TV, “Mad Men” retrata as transformações da sociedade norte-americana durante a revolução sexual e cultural dos 1960. A sexta temporada, que foi ao ar no ano passado, deixou pistas do que esperar do ano de 1969, que encerra a trama.

O executivo de atendimento Pete Campbell (Vincent Kartheiser), divorciado, lida com a morte da mãe num acidente estranho. Sem nada a perder, segue para Los Angeles para o novo escritório da Sterling Cooper & Partners. A gerentona Joan Harris (Christina Hendricks) deixa o sócio Roger Sterling (John Slattery) se aproximar do filho deles, enquanto continua a enfrentar o machismo na gestão da agência. Quando a revolução chegará para ela? Roger, por sua vez, segue cínico e bebendo como sempre. Só que mais solitário.

Peggy, após uma breve ilusão de que enfim seria feliz no amor com Ted Chaough (Kevin Rahm), vê o amante partir para Los Angeles. Azar no amor, sorte no jogo. Em sua cena final no último episódio da sexta temporada, ela está poderosa, sentada na cadeira de Don. Desligado pelos sócios da agência por tempo indeterminado, em crise com a família, o bonitão lida com conflitos que pautarão o fim da série.

Assim como em “Breaking Bad”, a última temporada de “Mad Men” será dividida em duas, com sete episódios neste ano e sete em 2015.

Barrabás. Enquanto uma série caminha para o final, outra dá seus primeiros – e breves – passos. O personagem bíblico Barrabás é tema da minissérie homônima, com apenas dois episódios, que será exibida neste domingo e nesta segunda, às 22h, no canal pago History. Inspirada no romance homônimo do sueco Pär Lagerkvist, vencedor do Prêmio Nobel de Literatura em 1951, a produção conta o que teria acontecido na vida do ladrão retirado da prisão pelo clamor popular e cuja libertação significou a morte para Jesus Cristo.

Um dos dois seria crucificado e o imperador Pôncio Pilatos deixou a decisão nas mãos do povo, que escolheu Jesus para o suplício. Após a libertação, Barrabás tem sua mulher, Esther, assassinada por ser seguidora dos cristãos e precisa lutar pela própria vida nas arenas, como gladiador. Após essas experiências, o ateu Barrabás se converte ao cristianismo.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave