‘Cobrança de taxa não será retomada’

iG Minas Gerais | Luciene Câmara |

O prefeito Marcio Lacerda garantiu neste sábado que não pretende retomar a cobrança do Custo de Gerenciamento Operacional (CGO), que gerava para as empresas de ônibus um gasto de R$ 20 milhões por ano. Segundo ele, a isenção da taxa foi uma forma de desonerar a tarifa de ônibus e diminuir o prejuízo das concessionárias.  

Lacerda voltou a criticar a suspensão do reajuste de 7,5% da passagem, determinada pela Justiça. Ele disse que a prefeitura ainda não foi informada oficialmente sobre a intenção das empresas de reduzir o número de viagens de ônibus por estarem no “vermelho”. “Entendemos a situação das empresas. A suspensão do reajuste é uma ameaça inclusive à qualidade do transporte coletivo”, completou.

Segundo ele, o prejuízo das concessionárias, em um mês, pode chegar a R$ 10 milhões. “Certamente, elas vão exigir na Justiça a compensação ou que esse prejuízo seja incorporado, no futuro, a uma revisão de tarifas para que elas possam se recuperar. Talvez esse seja caminho mais adequado”, concluiu. 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave