Contra Bradley, Pacquiao tenta retomar título dos meio-médios

Filipino, de 35 anos, tem o desafio de ratificar sua condição de um dos maiores lutadores da atualidade

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Pacman ficou 11 meses afastado dos ringues, após perder duas lutas consecutivas em 2012
BOXE WORLD/REPRODUÇÃO
Pacman ficou 11 meses afastado dos ringues, após perder duas lutas consecutivas em 2012

O título mundial dos meio-médios, versão Organização Mundial de Boxe, estará em jogo nesta noite de sábado no ringue do MGM Hotel, em Las Vegas. Mas quando o gongo soar para o início da luta entre o campeão Timothy Bradley e o desafiante Manny Pacquiao muito mais estará em jogo. A luta terá transmissão do SporTV, a partir das 23 horas.

O norte-americano Bradley, de 30 anos, vai em busca de credibilidade, pois no primeiro confronto entre ambos, em junho de 2012, saiu como vencedor, por pontos, em uma das decisões mais contestadas do boxe nos últimos tempos. “Cheguei a pensar em me suicidar”, disse o lutador, que ostenta uma invencibilidade de 31 vitórias (12 por nocaute) e vem de duas vitórias muito difíceis no ano passado sobre o russo Ruslan Provodnikov e o mexicano Juan Manuel Marquez, ambas por pontos.

O filipino Pacquiao, de 35 anos, tem o desafio de ratificar sua condição de um dos maiores lutadores da atualidade. Dono de cinturões mundiais em oito categorias, Pacman ficou 11 meses afastado dos ringues, após perder duas lutas consecutivas em 2012. A primeira para Bradley, na qual saiu como “vencedor moral”, e a segunda para o arquirrival Juan Manuel Marquez, ao sofrer um dos nocautes mais violentos da história da nobre arte. “Sei que a luta de sábado é a mais importante de minha carreira. Só a vitória manterá meu nome intacto na história”, disse o pugilista, que soma 55 vitórias (38 nocautes), cinco derrotas e dois empates.

A bolsa de apostas e os críticos preveem uma vitória de Pacquiao mas desde que seja por nocaute. Se a disputa chegar até o fim dos 12 rounds previstos, o favoritismo passa para Bradley. Os técnicos ajudam a incendiar o ambiente em Las Vegas. “Bradley vai aposentar Pacquiao. Vamos acabar com essa conversa da primeira luta. Ele já perdeu uma e vai ser derrotado de novo”, disse Joel Diaz, técnico do americano. Freddie Roach não fica atrás. “Manny está pronto para bater em Bradley do primeiro ao último round. Ele não terá tempo para respirar. Quero que Manny coloque para fora todo o seu lado violento.”

A pressão maior é sobre Pacquiao. Alguns críticos acreditam que o melhor do grande ídolo das Filipinas já tenha passado e apontam o duríssimo duelo com o mexicano Antonio Margarito, em 2010, como um marco negativo em sua carreira. Pacquiao venceu, por pontos, mas nunca mais foi o mesmo nas cinco lutas seguidas. Em seu último combate, em novembro, bateu muito, mas não conseguiu derrubar Brandon Rios.

MAYWEATHER - Mesmo não estando presente, Floyd Mayweather é muito citado no MGM Hotel. Primeiro porque comprou os direitos de patrocínio em vários pontos do hotel e com isso a propaganda de sua luta com o argentino Marcos Maidana concorre com Pacquiao x Bradley, o que irritou demais Bob Arum. Segundo que tanto Pacquiao como Bradley precisaram responder perguntas sobre um futuro combate com o norte-americano. "Se não der no ringue, por causa dos problemas contratuais, a gente poderia jogar uma partida de basquete", brincou Pacquiao. "Floyd sabe que luto com ele onde e quando ele quiser", afirmou Bradley.

Leia tudo sobre: boxepacquiaolutacinturãobradley