Trufas à moda ibérica

Iguaria entra para o cardápio de Somontano, famosa por vinhos, vilas medievais e trilhas

iG Minas Gerais | Mari Campos |

Com paisagens de tirar o fôlego,Somontano é cada vez mais visitada
Commons/Divulgação
Com paisagens de tirar o fôlego,Somontano é cada vez mais visitada

Tito, um vira-lata serelepe, cavava a terra aqui e ali sem se prender muito a nenhum lugar em especial. Era Tito quem conduzia a mim e a Mario Cequier, “trufeiro” espanhol, pelas colinas de Secastilla, pequena cidade da comunidade autônoma espanhola de Aragão, enquanto buscávamos trufas numa tarde de inverno.

Em 45 minutos de caminhada Tito e Mario tinham encontrado quatro exemplares de trufa negra, cada um de tamanho semelhante ao da uma ameixa. Mas na terra em que as trufas são fartas e abundantes, Mario, da Trufa Pasión, que vende e exporta a iguaria (e produtos feitos com ela), não parecia empolgado com o tamanho. “Em geral, encontramos trufas bem maiores”, disse.

Particularidades

Não é mera coincidência que Somontano também seja terra de trufas como a italiana Piemonte: a tradução dos dois nomes é a mesma, "pé da montanha"; mais especificamente, na base dos Pirineus. Secastilla, ponto mais alto da região de Somontano, no norte da Espanha, é famosa por seus vinhos e azeites. Há alguns anos, virou queridinha também de europeus fãs de esportes de aventura, que no verão migram do esqui dos Alpes para os cânions espanhóis.

Como na Itália, há séculos as trufas são encontradas por ali. As espanholas são bem menos perfumadas que as italianas. Mas a cultura contemporânea de trufas em Somontano só começou há 25 anos, e se tornou de fato expressiva há uma década. Mas não como antigamente, é claro. As mudanças climáticas dos últimos tempos fizeram com que a quantidade de trufas encontradas nos últimos 20 anos diminuísse muito e o quilo da iguaria é altíssimo, dependendo da "safra" nos mercados de Barbastro (cidade fundada no século X à beira do Rio Vero e hoje capital da comarca de Somontano de Barbastro), que costumam reunir produtores, chefs e gourmets em geral.

Pouco a pouco, a paixão pelas trufas está voltando à região graças também à comunidade local e à indústria vinícola, que se inspiraram na Itália e estão fazendo delas parte da experiência turística em Somontano. Foi criado um festival local, o Trufa-Te, treinando chefs locais para utilizarem mais (e melhor) a iguaria em seus pratos. E hoje chefs renomados andam fazendo das trufas negras espanholas a grande vedete de seus menus.

Ali o mercado das trufas negras é mais fechado, com pinta de secreto, os locais das reuniões de "trufeiros" para definir o preço do quilo da safra da semana (durante a estação de "caça", que vai de dezembro a fevereiro) são mantidos a sete chaves e, os melhores lugares para encontrá-las in natura parecem ser um monopólio dos moradores e comerciantes locais também. A "caça às trufas" ainda não é atração turística como na Itália - mas, alguns empresários já começam a cogitar essa possibilidade.

Panorâmica

Para quem visita a região, o trem de alta velocidade AVE conecta Somontano (através da cidade de Huesca) a Madri, Zaragoza, Barcelona e Sevilha em diferentes horários, diariamente. Localizada no cruzamento de caminhos que levam às regiões vizinhas Catalunha, Navarra e País Basco, Somontano é, sem dúvida alguma, uma terra surpreendentemente sedutora.

Com os Alpes à vista e com rios e cânions circundados por belíssimos vilarejos medievais, o local tem vários atrativos sedutores, como, por exemplo, o Parque Natural de la Sierra e delícias gastronômicas de Huesca e a arte rupestre do Parque Cultural del Río Vero. Além disso, o visitante poderá, ainda, ter um encontro especial com as perfumadas trufas.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave