Estudiosos descartam tremor de 7 graus de magnitude em Montes Claros

Para estudar melhor fenômeno, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) anuncia instalação de mais cinco sismógrafos no município

iG Minas Gerais | CAMILA KIFER |

Coletiva para falar sobre abalos sísmicos em Montes Claros reuniu professor da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e autoridades da prefeitura responsáveis pelo assunto
Fábio Marçal / Prefeitura de Montes Claros
Coletiva para falar sobre abalos sísmicos em Montes Claros reuniu professor da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) e autoridades da prefeitura responsáveis pelo assunto

A possibilidade de haver um terremoto, que chegue a 7 graus de magnitude na escala Richter, em Montes Claros, no Norte de Minas, é descartada por estudiosos. Porém, há possibilidade de abalos sísmicos de maiores intensidades na região. Para tentar estudar o fenômeno mais cinco sismógrafos serão instalados no município, que se juntarão aos três existentes.

Nessa quinta-feira (10), especialistas da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) realizaram uma coletiva de imprensa para a calmar a população em relação aos constantes abalos sísmicos que acontecem na cidade. O pronunciamento aconteceu quatro dias após o registro de quatro tremores em menos de 24 horas.

Deivison Ferreira, de 25 anos, operador de caixa em farmácia, recebeu o anúncio da instalação dos sismógrafos com desconfiança.“Continuamos preocupados mesmo com essa informação. Porque esse aparelho que anunciaram já existe na cidade a até hoje não fomos avisados antes do tremor de terra”, declara.

O professor Lucas Vieira Barros, chefe do Observatório Sismológico da Universidade de Brasília (Unb) explicou que os estudos em relação ao fenômeno estão sendo através da ação conjunta da UnB, USP (Universidade de São Paulo) e Unimontes, sendo que nesta última será implantado um núcleo de estudos sobre Sismologia.

Barros esclareceu também que a falha ativa responsável por causar os tremores já foi identificada. Com dois quilômetros de extensão, a falha está em uma profundidade que varia entre 500 metros e dois quilômetros, e está na região da Vila Atlântida, na região noroeste da cidade.

Ele reafirmou que os tremores não podem ser previstos nem evitados, mas destacou a importância de que a população se prepare para eles. “É necessário ficar em alerta já que esse fenômeno acontece constantemente em Montes Claros. Esta é uma das regiões sísmicas mais bem estudadas e estamos monitorando”, afirmou

Participaram da coletiva também o professor Expedito José Ferreira, coordenador do CECS (Centro de Estudos de Convivência com o Semiárido Mineiro) da Unimontes, o major Gouveia, comandante do Corpo de Bombeiros de Montes Claros, o secretário municipal de Defesa Social, Franklin de Paula Silveira, e o coordenador da Defesa Civil Municipal, Mattson Malveira.

 

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave