Hungaro cede à pressão e deixa comando técnico do Botafogo

Ele voltará a assumir a posição de auxiliar da comissão técnica, função que exercia antes de ser promovido a treinador, no fim do ano passado

iG Minas Gerais | AGÊNCIA ESTADO |

Eduardo Hungaro terá a difícil missão de reconstruir o Botafogo sem Seedorf
FLICKR/BOTAFOGO/DIVULGAÇÃO
Eduardo Hungaro terá a difícil missão de reconstruir o Botafogo sem Seedorf

Poucas horas após voltar ao Rio de Janeiro, vindo de Buenos Aires, a diretoria do Botafogo confirmou nesta sexta-feira a saída de Eduardo Hungaro do comando da equipe. Ele voltará a assumir a posição de auxiliar da comissão técnica, função que exercia antes de ser promovido a treinador, no fim do ano passado.

Contestado pela torcida desde que assumiu o comando, Hungaro não resistiu a nova pressão dos torcedores, irritados com a queda precoce do Botafogo na Libertadores, na noite de quarta-feira.

O time também foi mal no Campeonato Carioca e nem chegou à fase final do Estadual. O treinador deixa o cargo no Botafogo após 23 partidas, somando sete vitórias, seis empates e dez derrotas, finalizando aproveitamento de 40,5%.

"Hungaro voltará a exercer a função de auxiliar na comissão técnica permanente do Departamento de Futebol. O Botafogo já iniciou a busca por um novo profissional para o comando técnico da equipe", anunciou o clube, em nota oficial. O mais cotado para assumir o cargo é Vagner Mancini.

CONFUSÃO - Depois de a delegação do Botafogo ficar retida em Buenos Aires por causa de greve geral na Argentina, a equipe desembarcou no Aeroporto do Galeão às 3 horas da madrugada desta sexta, 12 horas após o previsto. Havia cerca de 20 torcedores no local, que realizaram protesto e chegaram a atirar moedas nos atletas.

O mais hostilizado foi o próprio técnico Eduardo Hungaro. Os torcedores também jogaram ovos no ônibus que conduzia atletas e comissão técnica na saída do aeroporto. Na quarta-feira, o Botafogo perdeu para o San Lorenzo por 3 a 0, em Buenos Aires, e foi eliminado da Libertadores.