Léo e Amarildo criam empresa laranja em nome de morador do Petrovale

Um morador do bairro Petrovale acusa o escritório de contabilidade que o vereador Léo Contador mantinha com seu ex-sócio Amarildo Alves de criar uma empresa de fachada em seu nome

iG Minas Gerais | Da Redação |

Anselmo diz que Léo montou empresa sem autorização
João Lêus
Anselmo diz que Léo montou empresa sem autorização

Um morador do bairro Petrovale acusa o escritório de contabilidade que o vereador Léo Contador mantinha com seu ex-sócio Amarildo Alves de criar uma empresa de fachada em seu nome.

Segundo o pedreiro Anselmo José de Abreu, Léo montou uma empresa para ele sem o seu consentimento em 2011 e, desde então, ele vem pagando impostos e taxas de sindicato por um bar que não existe.

De acordo com o pedreiro, a empresa foi aberta em 2011, “quando Léo já oferecia serviços de contabilidade gratuito”, visando apoios futuros para a eleição de 2012. “O Léo esteve aqui no bairro, disse que seria candidato a vereador e ofereceu ajuda no seu escritório de contabilidade, que ficava na rua Santa Cruz, no centro. Como tinha interesse em abrir um bar, levei os meus documentos para o Léo, mas pedi que ele não entrasse com a documentação da empresa até eu montar o comércio. Para minha surpresa, começaram a chegar na casa do meu vizinho boletos do Sindicato do Comércio de Betim e outras cidades para eu pagar. Foi quando voltei ao escritório, e descobri que Léo tinha aberto mesmo a empresa em meu nome, sem autorização”.

Segundo Abreu, ele procurou Léo para resolver a questão, mas ele já tinha saído da sociedade do escritório. “O Amarildo me atendeu e me passou para uma funcionária que não resolveu a questão. Agora, com essas denúncias, temo que meu nome esteja sendo usado para outros fins”. Léo não retornou as ligações da reportagem.

Leia tudo sobre: Clique para inserir palavras chave